segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

sábado, 29 de dezembro de 2007

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Os índios estão lá fora II

Fiz o que eu fazia todos os dias. Reuni a papelada, peguei a fita, deixei recados e me preparei para ir embora. Já estava de casaco quando resolvi dar uma espiada para o lado de fora. Da janela do primeiro andar, vi uma porção de índios só de calção e chinelos e um monte de índios sem calção, sem camisa e descalços. Eram cerca de 100 índios. Todos estavam pintados de urucum, preto e amarelo. Cada um carregava algum tipo de arma. Havia facas, lanças, bordunas e também arcos e flechas. Senti um arrepio percorrer a minha coluna ao perceber que um dos índios havia me notado e agora apontava para mim, na janela. Dezenas de cabeças se voltaram na minha direção. Eu ia me agachar, mas pensei em John Wayne. Por isso, levantei a mão direita como Tonto e acenei como Juscelino. (Continua)

_Ráo! – eu disse, corajosamente, da minha janela. Dezenas de índios fizeram careta. Uns trinta cuspiram no chão. Não sei porquê, mas índio e chinês gostam muito de cuspir no chão. Também fiz uma careta, de nojo, e repeti o “Ráo”. João Uéine teria ficado orgulhoso. Fiz menção de que sairia pela janela, mas recuei e entrei novamente. Aquilo deve ter deixado os índios confusos. Eu certamente estava muito confuso.

Enquanto descia as escadas eu fiquei pensando no que o João Uéine teria feito na mesma situação. Teria chamado a cavalaria? Teria disparado o trabuco? Teria mancado a perna? Teria mascado fumo? Teria tomado um uísque? Teria chutado a fogueira com um belo pontapé? E com essas besteiras na cabeça perdi um tempo precioso. E já estava na portaria quando percebi que ainda não sabia o que iria falar para os índios. O porteiro, que se chamava Manuel, me olhava com assombro. Eu, de repente e por um segundo, pensei estar vivendo uma piada de português.

_Abre aí, Manuel, que eu vou falar com a indiarada. Deixa comigo!

Manuel me olhou desamparado. O lábio inferior tremia. Pegou o boné de guarda e o apertou contra o peito, como numa cena de despedida e enterro no faroeste. E apertou o botão da porta. Eu saí e bati a porta atrás de mim. Imediatamente os índios me cercaram. Olhei para um grandalhão na minha frente e disse, com voz de dublador de João Uéine:

_Você é o líder? Eu quero falar com o líder! A-go-ra!

_O chefe é o Ramiro, disse o grandalhão.

_E Ramiro lá é nome de chefe? Não tem Raoni, Aritana, Nuvem Vermelha?

_E Ramiro sou eu, disse o grandalhão.

_Ráo, eu sou o Careca. E estou indo chamar o meu chefe. Até lá vocês esperam aqui, falou?

_Ráo é o cara...

Mas não esperei pelo final. Fui atravessando os índios na valentia, olho no olho, e consegui chegar até o carro. Entrei e travei a porta. Em dez segundos eu estava longe dali.

No dia seguinte, procurei alguma notícia sobre os índios nos jornais. Nada. Depois do almoço, na hora de entrar no trabalho, nem sombra de Manuel na portaria. Perguntei para o Joaquim, o porteiro do horário, se havia acontecido alguma coisa com o Manuel. Aliás, Joaquim e Manuel eram uma dupla do baralho...

_Não sei não, senhor. E hoje ele está de folga. A gente que é porteiro trabalha dia sim, dia não.

Não comentei nada sobre os índios com ninguém, nem com o Lelé. Na hora de sair, juntei as minhas coisas e me mandei. Não havia sinal de índio na hora em que entrei no carro. Quando as coisas não se manifestam, o melhor é não se manifestar. Ou, como dizia meu amigo Velho Tom, o que está quieto é melhor deixar quieto. No dia seguinte, dou de cara com o Manuel na portaria.

_Fala Manuel? E os índios, como ficou?

_Tudo bem. Fiz como o doutor falou.

_Eu disse alguma coisa?

_Você disse que ia chamar o chefe. Eu e os índios esperamos até o chefe chegar.

_E o chefe veio?

_Chegou eram umas onze horas.

_E aí?

_E aí que ele conversou com os índios um tempão. Depois levou o chefe e mais um monte de índios ali, para o bar. Daqui eu escutava os gritos dos índios. E o chefe berrava que a cerveja era por conta dele. No final, saíram de lá abraçados, trocando os pés. Depois o chefe voltou e só perguntou quem era o Careca.

_Perguntou, é? Ninguém me deu nenhum recado.

_Vai entender, né?

_Pois é.

E fui trabalhar normalmente. Depois do programa, o telefone toca no estúdio. É o Manuel.

-O chefe quer falar contigo. É pra ir até a sala dele.

Antes de subir, bati a minha carta de demissão. E foi assim, com os índios lá fora, que eu saí do mundo do rádio.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Indo para o brejo mais cedo

Devo viajar no início de janeiro. Mas todos os dias a casa está cheia de crianças, o que impede a escrita. Vamos ver se consigo hoje à noite.

sábado, 22 de dezembro de 2007

Os índios estão lá fora




_Operários da palavra! Trabalhadores da notícia! – eu gritava, todos os dias, para a redação.

Mas nunca ninguém me respondia. Eu era o editor –chefe de um campeão de audiência do rádio no início da década. O salário era ridículo, mas eu gostava do trabalho. Consistia em coordenar um grupo de pessoas e também montar e dirigir um programa ao vivo. Os apresentadores, Aírton e Sula, eram muito divertidos e possuíam belas vozes. Estavam sempre brincando e por causa disso às vezes erravam.Cada erro cometido era ouvido por 43 milhões de ouvintes espalhados pelo país. A cada mês, quem errasse mais me pagava uma pizza e um monte de cervejas.

Era um trabalho duro e intenso, mas entre todos os envolvidos, inclusive eu, ninguém parecia se importar com isso. Foi uma das melhores épocas da minha vida. Depois do programa eu costumava reunir os papéis e jogar tudo no escaninho, na sala de redação. Uma cópia gravada do programa era deixada sobre a bancada. Eu colocava alguns lembretes na minha estação de trabalho e ia embora para casa. Se estivesse com fome, eu tratava de comer ali perto, num bar. No dia seguinte, logo depois do almoço, eu estaria de volta, pronto para mais um programa.

Certa noite, era uma sexta-feira, a dupla de apresentadores estava mais afinada do que nunca e as piadas rolavam uma atrás da outra. Eu gargalhava no estúdio. E até o operador resolvera contar algumas piadas. Minha nossa, como gostávamos de piadas naqueles dias! Tudo havia sido muito divertido e o programa foi feito sem nenhum erro sequer. E então Sula e Aírton disseram boa noite e foram embora. Lelé, o operador, também precisou sair rápido. E eu fiquei sozinho no estúdio. Enquanto juntava os papéis o telefone tocou. Era alguém da portaria.

_Seu Careca, eles estão aqui fora. Posso deixar entrar?

_Eles quem?

_Os índios.

_Que índios?

_Um monte de índios.

_E o que eles querem?

_Querem falar no rádio, é claro!

_É claro. Mas porque querem falar comigo?

_É que não tem mais ninguém no prédio, Seu Careca. Deixo eles entrar?

_Não. Segura eles aí.

_E o quê que eu digo para eles?

_Diz que eu já vou falar com eles.

Fiz o que eu fazia todos os dias. Reuni a papelada, peguei a fita, deixei recados e me preparei para ir embora. Já estava de casaco quando resolvi dar uma espiada para o lado de fora. Da janela do primeiro andar, vi uma porção de índios só de calção e chinelos e um monte de índios sem calção, sem camisa e descalços. Eram cerca de 100 índios. Todos estavam pintados de urucum, preto e amarelo. Cada um carregava algum tipo de arma. Havia bordunas e também arcos e flechas. Senti um arrepio percorrer a minha coluna ao perceber que um dos índios havia me notado e agora apontava para mim, na janela. Dezenas de cabeças se voltaram na minha direção. Eu ia me agachar, mas pensei em John Wayne. Por isso, levantei a mão direita como Tonto e acenei como Juscelino. (Continua)

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Dor de dente é fogo




Para mim, dor de dente está em segundo lugar na lista de coisas que a ciência deveria se dedicar a extinguir da face da terra. Em primeiro lugar está a cárie. Nos últimos três dias fiquei impedido de raciocinar devido a um problema com um molar. Estou com uma retração tão grande na gengiva que o dentista disse que minha boca está virando do avesso. A piada foi ótima, mas não consegui rir por causa da dor de dente. Fui atendido três vezes em situação de emergência durante essa semana e ontem nem consegui dormir. Se continuar assim, vou ter que arranjar uma dentadura. Por causa disso, estou sem humor nenhum, sem vontade nenhuma de escrever.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Outra cantora: Lily Allen


Outra cantora: Lily Allen

Olha aí outra cantora de talento.


Lily Allen - Alright Still (2006)
Posted By: ccpro | Date: 02 Aug 2007 22:06 | Comments: 1


Lily Allen - Alright Still (2006)
Pop | MP3 320kbps CBR | 88 MB | Covers

Plenty of musicians have been born and bred as rich sons of bitches (Julian Casablancas, E, the ever-popular Crispian Mills). But none of them have brought the sense of entitlement and privilege to their music that Lily Allen does. Her recent interview with Observer Music Monthly discusses her “hard” childhood. What form did her distressing youth take? Apparently, and I kid you not, sometimes her parents embarrassed her at dinner parties, and every now and then she got told off for handing her homework in late. Jesus wept.

But none of this would be remotely relevant if it wasn't for the fact that her personality shines through so blindingly in her music. Lily prides herself on it. Sure, on her MySpace, in between slagging off minimum wage service staff in restaurants for not sufficiently fawning over her, and bragging about how much the Marc Jacobs dress she was wearing on stage last night cost, she admits that her early work is the sound of herself “pretending to be something I wasn't.” But now—real name, no gimmicks, Alright Still is the sound of real Lily.

“LDN” starts off with her moaning, in the style of a 67 year-old crank writing letters to the Evening Standard, about how a “crack whore” is ruining the pure and untarnished beauty of Her London. Care to find out how that crack whore came to be? Lily doesn’t. She’s off on her bike, pausing to “laugh” at an OAP getting mugged outside Tesco. “Smile,” a #1 single God help us, gets burned off the lights by both Sean Paul and Abs when it comes to facsimiles of “Uptown Top Ranking,” but neither of them could bring the quality of lyricism Lily does (“It makes me SMILE / I feel bad for a WHILE.” Are these lyrics being written by the dude from Incubus?)

OK, she knows her samples. Professor Longhair! The Soul Brothers! Sandie Shaw! This is the shit that plays in your local trainer shop day-in day-out, but that doesn't alter the fact that they're great songs. It’s just that she ruins them by putting her hateful lyrics over top. I'm sure the Prof's estate will buy themselves a few lobster dinners with the royalties from “Knock 'em Out,” but do you really think he'd be thrilled to be reduced to the backing band for a song about how Allen would like to beat the shit out of ugly people who dare to talk to her? It's no surprise that she's taken to covering the Kaiser Chiefs live, because like the feckless Yorkshiremen, and their partners-in-sneer Art Brut, her heart pumps to the sole beat of contempt for others.

I mean, surely we can all accept that ska-pop is a dangerous beast, surely? It can give us the heights of “Mirror in the Bathroom” and “The Impression That I Get,” or it can deliver the lows of every other ska-pop single ever. Lallen isn't woman enough to tame the beast, so we're stuck with “Not Big,” which makes me think how Abs could have done all of this better for the second time on the album. Or “Friday Night,” claustrophobic “cocktail bar at 6 PM” skanking that sounds like that one song Kirsty MacColl did about shoes as shat over by TV's Preston Samuel.

Look, every year music critics start stroking it over some musician just because they wish she was their girlfriend. Annie, MIA, Antony and the Johnsons... in 2006 it's Lily Allen. Except this year the object of their desire is going to shift units, and ends with a song called “Alfie” that makes you lose all faith in this country, a horrific “supply teacher trying to act cool to his third period class” piece of “yeah, weed makes you TIRED, innit blood” that destroys any hope that Allen could have Been Something.

Alright Still is nothing more than pop for people who hate pop music, poptimist Quorn, phony music for people who can't let go of their inhibitions (indie-bitions?) and have to have their music classified as REAL. Lily Allen is a coddled parasite who ain't lived it—she witnessed it from her folks pad. Scribbled in her notepad and created her life. That's how the song goes, right?

01 - Smile.mp3
02 - Knock 'em Out.mp3
03 - LDN.mp3
04 - Everything's Just Wonderful.mp3
05 - Not Big.mp3
06 - Friday Night.mp3
07 - Shame for You.mp3
08 - Littlest Things.mp3
09 - Take What You Take.mp3
10 - Friend of Mine.mp3
11 - Alfie.mp3

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Mais coisas que evito dizer para as pessoas

Por quê tanto ódio? Por quê tanta raiva?
Obviamente, essa combinação de frases só deve ser usada em situações de desespero absoluto, ou seja, em ocasiões onde é fundamental irritar o ser humano até o último grau com a maior rapidez possível.

Catatuia!
Originária dos desenhos animados que assistia quando era menino, essa expressão acabou sendo incorporada ao meu vocabulário cotidiano. Entretanto, minha mulher tem ojeriza por ela. Desta forma, com o passar do tempo fui colocando a expressão de lado e hoje raramente a utilizo. A não ser, é claro, quando atinjo o orgasmo.

Isso é uma obra de arte!
A última vez que usei essa frase eu estava no Reina Sofia Museum, de frente para Guernica!. Desde então, por uma questão de coerência, tenho evitado o seu uso.

Não corra!
Descobri a inutilidade de dizer isso para crianças menores de 5 anos. Também não possui qualquer sentido para jovens que acabaram de tirar a carteira de motorista.

Blasfêmia!Blasfêmia!
A despeito do sentido epistemológico, sempre utilizei o substantivo acima como um superlativo de fêmea. Prefiro esse significado porque ao se proferir a palavra, você abre a boca como se fosse deixar cair a língua e o queixo, o que geralmente acontece quando vemos uma mulher sensual e bela.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Coisas que evito dizer para as pessoas

Você merece!
Nunca digo isso porque a pessoa pode pensar que é ironia minha. A expressão é, sem dúvida nenhuma, uma das mais difíceis de ser empregada sem parecer ser a patroa. Você duvida? Então, use ela depois de entregar um relógio de ouro para o velhinho que acabou de se aposentar depois de 50 anos de serviços prestados. O velhinho, por pura educação, diz obrigado. E você, garotão sarado, coloca um sorriso Sílvio Santos na cachola e diz “Você merece!” Isso não acontece? Então diga para o garçom, depois de deixar uma gorjeta de um real. Ou para o sujeito do estacionamento, depois de jogar uma moeda para o cara.
Por isso, eu sempre digo: Olha, isso aqui não é nada. Você merecia muito mais.
Assim, a pessoa não tem dúvidas de que estou sendo irônico.

Maconheiro! Maconheiro!
Evito ao máximo chamar um indivíduo de Maconheiro! Costumo empregar essa expressão, geralmente aos pares ( Maconheiro!Maconheiroooo!) para designar infratores de trânsito de mais de 65 anos de idade, de visíveis cabelos brancos e faces encovadas, que não aparentem ser mais velozes que uma tartaruga senil. Certa vez, ao ser fechado na rua por um Fiat 147 de 1982, dirigido por um Matusalém de mais de 80 anos, não resisti e usei os epítetos acima pela primeira vez. Desde então, pelo menos uma vez por ano, utilizo a expressão “Maconheiro! Maconheiro!” para designar velhotes fazendo bobagem na rua. Outro dia mesmo, eu chamei o Síndico de Maconheiro ao flagrá-lo a tentar convencer um outro morador a apoiá-lo na luta para aumentar a taxa de condomínio. O pobre homem só tem 64 anos de idade, mas o aniversário dele é no final deste mês. Maconheiro! Vai comer erva no bolo de aniversário, hem, velho maluco! Ele diz que vai me processar. Se o advogado dele for quem eu estou pensando, já sei para quem vou gritar Maconheiro da próxima vez. Maconheiro! Eu vou chamar a polícia, viu, seu Maconheiro?

Maconheira! Maconheira!
O mesmo que acima, só que para velhinhas que fazem bobagens no trânsito. Pode acreditar, existem centenas dessas consumidoras de drogas dirigindo impunemente pela cidade. E depois daquele filme, “O Barato de Grace”, o número aumentou ainda mais.

Qual é a sua graça?
Há quem acredite que ao fazer essa pergunta a pessoa deseja apenas saber qual é o seu nome. Não caia nessa. É um pergunta capciosa, maldosa, vulgar e sacana. O sujeito que pergunta isso geralmente, nas entrelinhas e perdigotos, quer dizer que você não tem graça nenhuma.

Não vomite no meu carro!
Também não permito que bebam, em excesso, dentro dele. E também não deixo ninguém comer sanduíches no banco de trás. No banco da frente, eu como sem problemas.

Você tem fogo?
Evito dizer disso desde que parei de fumar. Mas tenho que admitir que essa frase tem vida própria e é uma das melhores introduções para uma conversa com uma pessoa que você nunca viu antes. Por isso, de vez em quando, em festas de pessoas que não conheço direito, costuma utilizá-la para puxar conversa com mulheres estranhas, mas simpáticas. Eu digo “Você tem fogo?”. E, se a pessoa tem, eu digo que esqueci que parei de fumar. Se a pessoa não tem, eu digo que não há problema, pois eu também não fumo. Mais. As duas tiradas garantem uma introdução excelente para um bate-papo.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Renne Geyer


Bom, essa cantora eu ainda não ouvi. Mas aposto que é legal.

Renee Geyer: It's A Man's Man's World
Posted By: Telstar | Date: 20 Feb 2007 21:03 | Comments: 7



Renee Geyer: It's A Man's Man's World
Genre: Soul
320 Kbps Stereo MP3 - 106 MB | APE - 297 MB


A young girl, born to Eastern European Jewish immigrants, found an inexplicable dark hole in her soul she filled with music, putting herself to sleep at night with her transistor radio under her pillow. The sounds of the sixties became her way to survive the tribulations of the outside world, Dusty Springfield and Aretha Franklin her companions. Only her family and one close friend ever heard Renée sing.

That girlfriend took Renée to a rehearsal where a bunch of friends were putting together a band. Renée was encouraged to get up and sing. She didn’t know why, but she knew what would happen. She sang the Bee Gees’ “To Love Somebody” and felt the power of her performance fill that room. She joined that band, then another and another, each time being surrounded by better and better musicians, who were attracted to Renée like the proverbial moths to a flame. It’s been like that all her life.

In the beginning Renée Geyer was so shy she couldn’t face her audience. She knew she had to change that, because above everything else, this was what she wanted to do. She wanted to sing. Within the space of three years she had transformed herself into a dynamic performer filled with self-confidence, a singer who scored her first major hit with a stunning and unforgettable version of James Browns’ “It’s A Man’s Man’s World”. Her performance went right to the heart of everyone who heard it. Renée was just 22...






Original Release Date: 19 Aug 1974
Audio CD: 1995


01. It's A Man's Man's World
02. They Tell Me Of An Uncloudy Day
03. Take Me Where You Took Me Last Night
04. Since I Fell For You
05. What Do I Do On Sunday Morning
06. Love The Way You Love
07. Scarlet Ribbons
08. Do Your thing
09. And I Love Him
10. It's Been A Long Time
11. Mama's Little Girl
12. Once In A Lifetime Thing
13. Feel Good

Download: www.ftp2share.com
OR
http://rapidshare.com/files/17348126/aMansMan_APE_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/17347529/aMansMan_APE_.part2.rar
http://rapidshare.com/files/17347434/aMansMan_APE_.part3.rar

http://rapidshare.com/files/17347087/aMansMan_mp3_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/17346546/aMansMan_mp3_.part2.rar

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Coisas que falávamos para irritar o próximo

Coisas que falávamos para irritar o próximo

Amigo, amigo, amigo
Muito utilizada quando o sujeito começava a apresentar sinais de hostilidade. Ao chamá-lo como ao melhor amigo do homem, o cachorro sempre abana o rabo.

Boquinha (e com os braços, fingir ter um bocão gigantesco)
Sempre que alguém estava necessitando, com desespero, de um beijo na boca.

Calma, muita calma nessa hora!
Obviamente, quando o sujeito estava prestes a perder a paciência.

Desce daí, menino! Ô, menino, desce daí!
Quando o cara estava viajando demais na maionese.

Eu te disse, não disse?
A mesma frase que um personagem de desenho animado, uma motoca, sempre falava para um vilão. O objetivo era irritar o sujeito, mantendo uma distância prudente dos pontapés.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Nicole Atkins é uma grande cantora


Nicole Atkins

O álbum se chama Neptune City e é uma das melhores coisas que já escutei esse ano. Nicole Atkins é outra cantora que tem tudo para que eu guarde espaço na prateleira. Uma voz maravilhosa, ritmo, atitude e aquele ar de “já fizeram de tudo para me matar mas eu estou viva, caramba”. É música fenomenal, orquestrada, com excesso de volume, bem ao contrário do falso intimismo despojado, perigoso e ferino da Amy Winehouse.


Abaixo, o post do maluco que me apresentou essa maravilha:

Nicole Atkins - Neptune City (2007)
Posted By: yLe | Date: 09 Dec 2007 07:17 | Comments: 2


Nicole Atkins "Neptune City"
MP3 | CBR 320 Kbps 48000 Joint Stereo | 38:00 | 90.82Mb
2007 | Genre: Pop

Nicole Atkins is a Jersey girl and she could probably make any guy sing, “sha la la la la la”, but the sound of her debut album has nothing to do with Tom Waits. Neptune City is big and dreamy, swirling with strings or riding a wall-of-sound rhythm section reminiscent of Phil Spector’s best girl group productions. The arrangements on this album are vibrant, lush, and propulsive. The instrumentation will swoop in and carry you along for a 40-minute ride through timeless chamber pop.

That said, the primal force that drives Neptune City is the huge and charismatic voice of Nicole Atkins. She possesses the tough charm of Chrissie Hynde and can come across just as world-weary. But then Atkins punches a higher level, and her warm, full alto comes booming forth. We sometimes forget that sound is a physical force, but not when this rock chanteuse is belting it out.

In the original mix of this album, her powerful performances were apparently harder to find in the mix. Initially scheduled for release on September 6, Neptune City was held back after a couple of early reviews noted that Atkins’ singing was lost amidst the instrumentation. In stepped new Columbia head honcho Rick Rubin, recently hailed by the New York Times as the man who could save the record industry. While that remains to be seen, the Buddha of rock probably saved this record from mediocrity. In an e-mail conversation, Nicole explained that Rubin stripped the mastering off the album, which “really opened the sound up.”

This makes sense and should have been the approach from the get-go. Neptune City is, in some ways, a throwback piece, yearning for an older and purer age, tugging its textures forward through the fog of time. In today’s mixing and mastering sessions, the emphasis is on squashing the dynamics until the music sounds tight. For dance and teen pop, this technique tends to work really well. Not so with a record such as this, however, where we need the quieter moments so that the contrasting crescendos will truly come alive. On songs like “Together We’re Both Alone” and “Cool Enough”, Atkins and her band the Sea know how to mine a low and somber mood before bursting into an orchestral chorus that ascends above time and place. This is the vantage Nicole holds in the busted fairytale torch-song that is the album’s title track, in which she sings, “I’m sitting over Neptune City / I used to love it / It used to be pretty”.

The whole of the album is held aloft in this lovely limbo. Sometimes we sink down into the sooty metropolitan sky, but only to rise above its atmosphere where we can again see the stars. If this metaphor feels hokey and a little sentimental, well, those qualities are present on Neptune City, as well. Fortunately, Atkins and company imbue the record with the kind of melancholic tinge that permeates even the most joyous of girl group songs (like “Be My Baby”!), while keeping a healthy distance from the empty sentimentality of so many Broadway show tunes (gee, thanks for the “Memory”, Andrew Lloyd Webber). Nicole Atkins deserves to find a sizeable audience. Fans of Rufus Wainwright should definitely come calling, along with those of you who’ve looked down on your hometown and dreamed of something more.

Personnel

Filip Runesson - violin, viola, cello
Sven Andersson - flute, saxophone
Petter Lindgard - trumpet, drums, percussion
Jens Lindgard - guitar, sitar, trombone, guitar synthesizer, bass guitar
Mattias Gustavsson - vocals
Andreas Stellan
Dan Chen - electric piano, reed organ, Mellotron
Daniel Mintzer - drums
Tore Johansson - slide guitar, acoustic bass, bass guitar
Alexandra Hamnede

Track List:

01 Maybe Tonight
02 Together We’re Both Alone
03 The Way It Is
04 Cool Enough
05 War Torn
06 Love Surreal
07 Neptune City
08 Brooklyn’s On Fire!
09 Kill the Headlights
10 Party’s Over

Download includes front cover

http://rapidshare.com/files/74919473/NA_NC.rar


password: coyote

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Rosebud




_Hoje é Natal? É, pai?

Tem duas semanas que essa é a primeira pergunta que os dois fazem, logo que acordam. Explico que ainda falta um pouco para o Natal. Sou ruim para falar sobre o sentido do Natal, essas coisas. Mas digo que o Menino Jesus vai trazer muita alegria e paz para todo mundo.

_E presente? Ele não traz presente? – pergunta a mais nova.
_É o Papai Noel que traz presente, boba – explica o outro.
_Não chama ela de boba. E o presente é só para quem se comportou direito – tento corrigir.
_Não é nada. O Chico é um mala e já ganhou presente adiantado.
_O Chico é mala? Mas que mala é essa? Quem te ensinou isso?
_Você, pai. Você vive dizendo que o Chico é um mala – esclarece o primogênito.
_Mas não é para repetir. E você só tem quatro anos. Só adulto pode falar essas coisas.
_Tá bom. Mas ele já ganhou presente adiantado.
_Eu também quero presente adiantado – diz a caçula.
_Ninguém vai ganhar presente adiantado aqui em casa.
_Que mala – dizem os dois.
_Se repetir, eu vou escrever para o Papai Noel não trazer presente nenhum. E vamos mudar de assunto.

Mas o Natal está em toda parte. Está na TV, a cada 30 segundos. Nas janelas do prédio da frente. No elevador. Em cada milímetro da sala, com a enorme árvore de Natal montada no canto, cheia de lâmpadas piscantes. E está no coração dessas duas crianças, que palpitam de ansiedade pela chegada do Natal, da alegria, da paz e das coisas boas. E o menino volta a insistir, recuperando o fio da meada que eu mesmo já havia esquecido.

_Pai, o Menino Jesus também carrega um saco de brinquedo?
_Ele tem trenó? – participa a caçula.
_E renas voadoras?
_Não. O Menino Jesus é um bebê. Ele não carrega saco de brinquedos, não tem trenó e nem renas voadoras. Mas é o Salvador de todos nós. No Natal, nós celebramos o nascimento Dele.
_Pai, o Papai Noel não pode trazer alegria e paz?
_Pode, eu acho.
_Então pede para ele trazer.
_É, pede, pai.
_O Bebê não dá conta de carregar.
_ Não dá, pai.
_E aí, já que vai trazer alegria e paz...
_É, alegria e paz...
_Então ele podia trazer logo os presentes.
_Os presentes.
_Adiantados, né? Ha,Há, Há – finjo dar risada. Nada de adiantados. E se não se comportarem direito, nada de presentes.
_Mas, pai.
_É, mais, pai.
_Nem mais, nem menos pai. Ninguém vai ganhar presente adiantado.

E penso ter conseguido uma trégua de pelo menos 15 minutos, quando ligo a televisão no desenho animado. Mas há uma profusão de neve, gelo, trenós, pinheiros e bonecos de neve na tela. Antes mesmo que eu retome o fôlego, já estão de volta, com novas perguntas.

_Pai, nós vamos ganhar um trenó?
_Não, filho. Trenó só serve para brincar na neve.
_Mas neva no Natal, pai. Sempre neva no Natal.
_É, pai, neve no Natal – repetiu a caçula.

Como eu poderia ir contra um bilhão de desenhos animados, propagandas, anúncios, fotos, filmes, canções, brindes e o meu próprio pinheiro falso, coberto de lantejoulas imitando neve, no meio da sala?

_Claro que neva, filho. Mas os trenós acabaram. Esse ano o Papai Noel teve pedidos de trenós até da África. E ele já avisou que não vai ter trenó para todo mundo. E nem presente adiantado.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Foras que levei no início dos anos 90




Patrícia
- Aprendi muito com você – ela disse.
Depois me deu um abraço e eu disse tchau. E só depois disso é que eu me toquei que deveria ter falado alguma outra coisa. Que aquilo não poderia terminar daquele jeito idiota. E que história era aquela de aprender? Eu era tão calouro quanto ela no nosso arremedo de casal apaixonado.

Joana
_Olha, me desculpa qualquer coisa, viu? – ela disse. E pareceu sincera. Jeca. Mas sincera.
Depois me deu um abraço e eu disse “vai pela sombra”. Era bonita, aquela mulher. Tinha uma beleza imperdoável.

Taís
_A gente ainda vai se cruzar por aí – ela disse.
_Não se depender de mim.
Eu evitei o abraço e nem toquei a mão dela. Com ela, sim, aprendi uma coisa. A ter asco da promiscuidade.

Paula
_Ai, meu querido, meu querido, meu querido...não dá mais.
_Não mesmo.
_A gente se fala.
_Você fala.
_Eu te ligo.
_Vou mudar o telefone.
_Você sabe, temos um problema de comunicação.
_É só de um lado.
_O que você disse?
_Hã?
_Esquece.
_Lembrarei.

Joana (de novo)
_Olha, me desculpa qualquer coisa, viu?
_Está tudo bem.

Priscila
_Ai, Cá, é tão triste terminar desse jeito.
_É muito triste, Pri.
_E você, vai ficar bem?
_Vou ficar bem, Pri.
_Ai, Cá, diz alguma coisa, vai?
_Alguma coisa.
_Careca idiota.

Joana (mais uma vez)
_Olha, me desculpa qualquer coisa, viu?
_Você sempre fala isso.
_O quê?
_Você me pede desculpas toda vez que termina comigo.
_E isso é imperdoável?

Esmeralda
_Careca, eu sou muita areia pro seu caminhãozinho, meu bem. Não leva a mal, mas você é apartamento, eu sou ponta de picolé. Eu sou lingerie, você é roupa de baixo. Elevador, escada. Seda, algodão. Alecrim e manjericão.
_ Eu sou uma anta e você é uma capivara. Tchau, Memê.

Flávia Tatiana
_Continuamos amigos?
_Ex-amigos. Conhecidos é melhor.
_E por quê?
_Porque minhas amigas não têm nome duplo e nem cara dupla.

Diana
_Careca, meu amor, você é lindo, mas eu tenho outro.
_Quem é o cara?
_É o Duduzinho. Lembra dele? Dois metros de altura, halterofilista, campeão de jiu-jitsu, bateu em três PMs no carnaval...
_Uma flor de pessoa.
_Ele disse que quer te conhecer, encontrar, bater um papo.
_Vai ser bom desencarnar.
_O quê?
_Sem ser esse, a gente se encontra no próximo... milênio.

Joana (a última vez)
_Olha, me desculpa qualquer coisa, viu? – ela disse.
_Não teve nada para desculpar, ou teve?
_...
_ Tem?
_ Você também não é nenhum santo.
_Eu não disse nada.
_Nem precisou, com esse jeito de olhar.
_É pra te ver melhor, Chapeuzinho – eu disse.
Mas depois daquele sábado, nunca mais nos vimos. Somente ontem, procurando uma coisa no supermercado, eu a vi de relance. Nem tive coragem de dizer nada. Foi melhor assim.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Pouca farinha no leite

Éramos seis, e hoje somos até mais, mas estamos cada vez menos juntos. Quando estávamos empolgados demais, era assim que a mãe nos refreava. “Pouca farinha no leite, vocês”. E tratávamos de conter o excesso, seja do que fosse. A frase também era muito usada para os assuntos de namoro. “Olha, olha, pouca farinha no leite com a Fulana, viu?”. Mas para isso eu e o meu irmão não dávamos bola. Pelo contrário. Com as namoradas, o que mais queríamos era abusar da farinha no leite e do leite na farinha. Elas gostavam.

Pensando bem, em geral a expressão era usada quando estávamos a falar bobagem. Não estou falando de obscenidades, nunca fomos chegados a isso. Nem de piadas picantes, ou de safardanagens e fofocas em geral. Mas as coisas idiotas, as situações ridículas em que às vezes nos metíamos. Gostávamos de rir de nós mesmos. Depois ficamos mais sérios. Ficamos mais metidos a grandes coisas, e algumas até fizemos e conquistamos. Mas fomos perdendo a capacidade de rir do próprio nariz, de fazer piada com a própria burrice.

Quando paro para pensar, acredito que isso se deve ao excesso de porrada que levamos de todos os lados. Se fôssemos boxeadores, estaríamos todos no quarto de hotel, com o nariz quebrado, a lembrar dos bons tempos, do tempo antes de conquistar o primeiro campeonato. É só o que sobra. A lembrança.

Outro dia tive um sonho horroroso. E tratava exatamente da lembrança. Alguém estava ameaçando levar a minha memória embora. Demorei a descobrir que aquela sombra terrível significava isso: perder a memória. O sujeito não tinha rosto, era somente uma presença incômoda que começava a se aproximar. E então eu começava a ver as coisas boas que me aconteceram. O meu primeiro jogo de xadrez. O meu skate. Um único e maravilhoso gol que fiz de bicicleta. Uma bicicleta. O primeiro disco que comprei, um LP dos Beatles.

E então eu olhava para trás, e o xadrez havia desaparecido. O skate sumia das minhas mãos. E embaixo dele estavam colados dezenas de adesivos que eu colecionava. Até a bicicleta começava a desaparecer. E o meu gol maravilhoso também desaparecia feito aquela foto do filme “De volta para o futuro”. Eu me agarrei ao LP dos Beatles e falei para o sujeito sem rosto, quase gritando: “Esse não, esse é meu, ninguém vai levar o Sargento Pimenta. Pode ir embora, xô, maluco...”

E eu acordei, com uma cotovelada certeira da Patroa. Por causa disso, hoje de manhã fui para o hospital, ó meus sete leitores, e só agora estou atualizando o blog.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Cavar um divórcio é fácil


A Patroa adora brigar comigo. Há 15 anos ela adora brigar comigo. Há 15 anos deixei de me importar com brigas. Porque eu adoro a Patroa. Ela tem um mau-humor de manhã tão crônico que aquilo deveria ser pego com cuidado, lacrado e enviado para análise num laboratório. Se ninguém descobrisse o que é, deveria ser emoldurado. O mau-humor dela é o que existe mais próximo do estado da arte.

Imagine uma pessoa que rosna. Agora imagine uma pessoa que rosna e arranha. Acrescente a isso morder, esbravejar e lançar perdigotos. Mesmo assim ainda não se tem a mais pálida noção do que é o mau-humor dessa mulher no período matutino. Se ainda por cima estiver de TPM, o melhor que você faz é evitar contato visual. Mantenha as mãos sempre visíveis, evite movimentos bruscos. Jamais levante a voz. Faça como a mulher que amava os gorilas: abaixe a cabeça e assuma uma postura submissa. Minha Patroa com TPM, no período matutino, vira Macho Alfa do Mundo Animal. Se eu enfrentasse um gorila teria maiores chances de escapar com vida. Nessas horas, se eu pudesse fazer buracos, ficaria com a cabeça enterrada no chão do apartamento. Covarde, sim. Mas vivo.

Eu deveria dizer que adoro o mau-humor da Patroa. Mas isso não é verdade. Detesto o mau-humor dela. Mas é parte dela. Veio no pacote. Não há como mudar isso. E idiota do sujeito que pensa que vai mudar uma outra pessoa. Ela tem outras qualidades que superam de longe essa questão do mau-humor. Por exemplo? Bom, tem a ... tem o .... daqui a pouco eu digo. O que importa é que, de manhã, evito contato visual, olho no olho. Se o banheiro está ocupado, vou para o outro, rapidinho. Respeito o espaço. Dou ampla margem para manobra. Evito ficar próximo dos cotovelos. Não esbarro, toco ou trisco. Não se deve facilitar. Às vezes, o encaixe de um golpe fácil pode ser irresistível se você ficar à disposição. Você sabe, Napoleão perdeu a guerra, escorregou o sabonete. Ficar em certas posições é pedir para ser sacaneado. Com o mau-humor dela não se brinca.

Também evito qualquer menção ao mau-humor. É um assunto tabu entre a Patroa e eu. Temos quase um pacto de silêncio sobre esse assunto. E eu sou tão precavido que, de manhã, evito conversar com ela sobre qualquer assunto que comece com “H” ou com qualquer letra do alfabeto. Eu ainda rezo para o dia em que ela acordará de manhã, bem cedo, para a RRM - Reunião dos Raivosos Matutinos. Só ela poderá mudar o próprio comportamento. É que lá, os RRM começam as reuniões dizendo a quantos dias não explodem enquanto os outros ainda estão escovando os dentes.

“Bom dia, meu nome é Patroa, e já faz uma semana que eu não grito com ninguém depois do banho de chuveiro. Também não estou bufando e nem com vontade de beliscar um caranguejo com as unhas. Ontem fiquei com vontade de enrolar o papel higiênico no meu marido, mas eu me contive. Em compensação, acabei com o último rolo de papel antes que ele entrasse no banheiro. Hoje, antes de vir para esta reunião, acabei com a pasta de dentes. E fico muito feliz em imaginar meu marido escovando com o sabão de glicerina que sobrou... ”

Sim, eu também fico feliz só de imaginar essas reuniões. Aliás, fico feliz só de imaginar ela a dizer bom dia. E se você souber onde os RRM se reúnem, por favor, escreva para o e-mail da Patroa. Cavar um divórcio é fácil. O difícil mesmo é cavar um tesouro no casamento com glicerina nos dentes.

Hoje foi mais ou menos assim. Agora sou responsável pelo fracasso das férias. Que ainda não aconteceram. Mas de manhã não dá para discutir. É melhor não contrariar.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

História para revista de sacanagem


Fazia um calor desgraçado naquela terra. E eu estava numa pindaíba danada. Além disso, eu tinha menos de vinte anos. A única vantagem é que a praia era uma beleza. Mas a água era quente. Eu prefiro água fria. E aquela loura sempre aparecia depois que eu entrava na água do mar.

Eu havia iniciado um programa de exercícios. Pela manhã, corria a praia do início ao fim, ida e volta, o que dava quatro quilômetros. Nadava paralelo à praia durante uma hora. Depois fazia uma porção de flexões de braço, barras e paralelas. Os músculos ficavam saltados. Eu partia para os exercícios de alongamento. Eu me sentia um super-cara, forte, rígido e flexível. E aí, como quem não quer nada, a loura aparecia.

No primeiro dia eu já havia notado o anel de noivado. Uma aliança com brilhante de verdade, grande. Coisa de gente fina, com muito para gastar. A loura também tinha beleza de sobra, para dar e vender. E eu esperava que fosse para dar. Tinha um par de peitos que, da distância em que eu estava, parecia ter custado o triplo do anel. Usava um biquíni verde, uma saída de praia e um par de chinelos amarelos. Outras coisas brilhavam no pescoço e nas orelhas. De frente, era o tipo de mulher fogosa que deveria ser mantida bem longe das calotas polares. De costas, pois ela deu um jeito de me mostrar as costas e o que há debaixo dela, ela me fez lembrar de programas censurados do Mundo Animal. Depois de alguns segundos de contemplação tive que correr para dentro da água, que me pareceu muito mais fria e refrescante. Quando voltei, a loura havia sumido.

Nos outros dias, os biquínis mudavam de cores. A saída de praia parecia ser a mesma, amarrada de formas diferentes. Os colares e brincos também variavam, mas o anelzão de brilhante continuava no dedo da mão direita. E ela agora sorria para mim. E me encarava. E depois, parecia que ia colocar o dedo indicador na boca. E aí mudava de idéia. Passava a língua devagar nos lábios. Cruzava as pernas. Descruzava. Sentava. Levantava. Agachava. Ficava na ponta dos pés, uma bailarina na beira da praia. Parecia nervosa. Relaxava e depois ia até o vendedor de picolés. Voltava com um picolé de coco, um refrigerante, uma laranjinha. E durante uns cinco minutos, eu me imaginava como um sorvete de frutas, sem casquinha. Eu era lambido e escorria pelos seus dedos, escorregava pela suas coxas, pingava naqueles valiosos seios. Eu corria para dentro da água. E quando eu voltava, a loura havia sumido.

Um dia tomei coragem e resolvi falar com a loura. Foi antes dos exercícios de alongamento. Os músculos estavam pulando para fora. Eu parecia uma versão tupiniquim do Exterminador do Futuro, de sunga. Fui caminhando devagar, olhos nos olhos, pela areia quente. Eu não sentia dor. Sorria. A loura também. Eu passei a língua nos lábios. A loura também. Eu levantei as sobrancelhas. A loura também. Eu pisquei um olho, o direito. A loura não piscou. Parei na areia. Talvez ela não soubesse piscar. E a areia quente começou a queimar as solas dos meus pés. Ai, caramba, eu disse. E a loura também.

Comecei a andar mais depressa. Mas, a cada passo, a temperatura da areia parecia ampliar a distância que me separava da calçada. Corri. E alcancei a calçada. E aí realmente queimei a sola dos pés. A loura ria. Gargalhava. Eu sapateava como se o Exterminador do Futuro imitasse Fred Astaire. Sem sapatos. E não havia sombra de nenhuma sombra até onde a minha vista alcançasse. E o anel brilhava. E então vieram as câimbras. (Continua)

domingo, 2 de dezembro de 2007

Está na foto


Tudo o que eu precisava saber sobre a minha turma podia ser visto numa foto que tiramos em 2001. Eu não me lembrava de estar sóbrio na ocasião. A julgar pelo ano, eu provavelmente não estava. Durante cerca de 15 anos da minha vida eu fiquei tão sóbrio quanto o peru na véspera do Natal. Tudo o que eu precisava saber sobre mim está na foto. Eu ainda tinha cabelo. Eu ainda podia ser considerado jovem. Eu tinha uma porção de sonhos estampados na testa. E essa coisa está mudando a configuração sozinha.

sábado, 1 de dezembro de 2007

Como organizar a Ceia de Natal




As ruas já estão enfeitadas e os shoppings já exibem filas de meninos e meninas para ver o Papai Noel. Eu gosto dessa época do ano. Parece haver uma disseminação de boa vontade no ar, que é falsa, mas mesmo assim é melhor que a indiferença generalizada de sempre. Nessa cidade, todos parecem se preocupar em demasia com a privacidade. E isso costuma ser interpretado como indiferença, frieza e distanciamento. Mas, na maioria das vezes, é só civilidade. E no Natal, essa civilidade não se disfarça e se esbalda em solidariedade. Vivo numa cidade legal e, em geral, gosto do povo que vive aqui. Mas esse é, disparado, o melhor período para se passear por aqui. Até o chato que diz que vai vigiar o carro no estacionamento parece menos ameaçador. É tempo de paz. É tempo de ficar perto de quem a gente gosta. Não é tempo de brigar e nem de ficar sozinho.

Acho que seria muito bom se o santo do calendário pudesse influenciar positivamente a vida da gente. Se a gente pudesse ser feliz, com a fogueira no coração, no Dia de São João. E ser fortaleza de pedra, no dia de São Pedro. E ser bom como foi o santo, no dia de São Francisco. Mas nem sempre dá certo.Uma amiga minha disse que brigou com a família no Dia de Todos os Santos. Só podia dar em briga mesmo, é muito santo para um dia só. O problema é que agora ela terá de passar o Natal em casa. E será a primeira vez que fará uma ceia em casa.

E foi aí que eu me toquei. Nunca fiz uma ceia de Natal em casa. Sempre passei em família, ou na casa dos outros. E embora tenha participado da organização de algumas ceias, nunca o fiz de maneira integral, ou seja, nunca organizei uma em minha própria casa. Por isso, dentro do melhor espírito de “quem-não-faz-ensina” vou passar umas dicas de como organizar a melhor ceia de natal que você já viu.(Continua)

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Pássaros


Eu nunca gostei de caçar. Nada. Nem passarinho. Mas uma vez saí com meu irmão e dois primos para caçar passarinho. Fomos para a periferia da cidade onde nascemos, em Goiás. Ainda existiam alguns pedaços de mato. E ainda existiam pequenas fazendas em volta da cidade. Andamos um bocado e escolhemos alvos diversos no caminho. Calangos, romãs, goiabas, latas, garrafas, mamão, uma porção de coisas. Só sei que gastamos um chumbo danado. Quase no final, só havia um chumbinho para cada um.

Aí nós chegamos numa fazendinha muito legal, com uma bela cerca de arame coberta de maracujás. Além da cerca, havia um enorme quintal coberto de palha de arroz. No centro, uma única árvore, uma mangueira. Nessa árvore, milhares de pássaros se amontoavam.
Ficamos bem quietos e vimos algumas dezenas deles mergulhar na palha de arroz. Um pequeno movimento e flop! Os pássaros voltavam para a árvore. E depois de um breve silêncio, a algazarra que os bichos faziam poderia ser ouvida a um quilômetro de distância. Aliás, foi por isso que encontramos a fazendinha.

Aí meu irmão, que era o mais velho, disse que não ia atirar. Disse que atirar em tantos bichos de uma vez era covardia. Disse que era melhor deixar os passarinhos vivos e contentes. Disse que o covarde que atirasse não tinha chance de errar. Disse que o covarde que atirasse podia esquecer que era amigo dele. E disse para irmos embora.

Mas os primos queriam pelo menos atirar. Eu também. Ivo foi o primeiro, mirando sem capricho em um pássaro no chão, quase ao pé da mangueira. Um alvo fácil. Facílimo.Pum. Passou perto, mas só o que fez foi provocar uma ligeira debandada de pássaros. Ivo era o melhor atirador do grupo. Era óbvio que havia errado de propósito.

Continuávamos escondidos e quietos. Logo os bichos voltaram. Foi a vez do Carlaile. Acho que também mirou com preguiça, num passarinho no chão. Alvo próximo e fácil. Errou. Carlaile, quando queria, atirava melhor do que meu irmão, que era o segundo melhor atirador do grupo. Nova debandada. Nova espera em silêncio. E era a minha vez.

Olhei para o meu irmão. Ele voltou a dizer que atirar naqueles bichos era covardia. E também voltou a dizer que o covarde que atirasse naqueles passarinhos podia esquecer que era amigo dele. Olhei para os primos. E sem dizer nada, apontei com cuidado para o centro da mangueira. A mira daquela espingarda de chumbo era meio torta, você tinha que dar um pequeno desconto para a direita. O gatilho era leve. Bastava um puxão do indicador. Mirei e mirei. Podia sentir os olhos do meu irmão queimando a minha nuca. No final, fechei os olhos e atirei. Pum!

Abri os olhos e vi um pássaro cair da árvore. Centenas deles voaram imediatamente para outro lugar. No silêncio que se seguiu, só o que eu conseguia escutar era o bater de asas do pássaro que eu havia acertado. O bicho se debatia sobre a palha de arroz. O barulho era o mesmo de uma borboleta batendo as asas perto do seu ouvido.

_Mas por quê você fez isso? – gritou o meu irmão.

E a verdade é que eu não sabia. Ainda não.

_Agora vai lá e pega o passarinho – ordenou.

Eu obedeci. Quando peguei o pardal, sua cabeça pendia mole, já não havia movimento nenhum.

Meu irmão ficou o resto da semana sem falar comigo. Nunca mais caçamos nada.

Mas até hoje, quando olho para o meu irmão, percebo em seu olhar uma tristeza, um senão, como se eu tivesse acabado de matar um passarinho.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Oleta Adams



“Tears for Fears” é o nome da dupla que fez um bruta sucesso no tempo em que eu carregava CDs para as festas. Nós escutávamos os caras o tempo inteiro. E nós éramos todos nós, os jovens. O Tears tinha um som meio alegre, meio triste, assim como quem não quer nada. E era bem como a gente se sentia, no meio de um monte de coisa acontecendo e sem saber em que lado entrar. E no meio de todas aquelas coisas meio tristes e meio alegres, uma música era especialmente bonita e triste: “Woman in Chains”. E no meio dessa música, aparecia a voz de uma mulher, especialmente bela e triste. Era a voz de Oleta Adams.
E aqui - oh, meus amigos – é possível encontrar um disco inteiro da bela Oleta:
http://avaxsphere.com/music/rnb/oletaadams_theverybestof.html .

E abaixo, o post completo do sujeito que fez esse favor para a humanidade;

Oleta Adams - The Very Best Of Oleta Adams (1998)
Posted By: lliwas | Date: 28 Nov 2007 06:03 | Comments: 0

Oleta Adams - The Very Best Of Oleta Adams (1998)
Jazz, Slow Rock | Universal/Spectrum | MP3 @ 320 kbps = 166 MB | Flac = 436 MB | 16 Tracks | 72:55

Review:
Her name may not be as instantly recognizable as Anita Baker's, but if you're a fan of Baker, you're bound to love Adams. After working toward a solid reputation in her native Kansas, she was discovered while working a hotel-lounge gig by Roland Orzabal of Tears for Fears and became one of the band's regular guests (their "Woman in Chains" is included here). This collection includes an impressive list of contributors (including Irene Cara on backing vocals) and worldwide hits like "Get Here," an emotional tearjerker that showcase's Adams's amazing voice. Many tracks veer into MOR territory (what else can you expect with a cover of "Don't Let the Sun Go Down on Me"?) and straight-out-of-a-musical style ("Embraceable You"); if you're looking for more funk in your soul, your best bet is "Rhythm of Life." --Rebecca Wallwork

The Very Best of Oleta Adams primarily consists of material from her first three albums. The big mystery of this 1998 collection is the lack of material from 1990's Circle of One, by far her strongest and more musically varied set of songs. A mere three tunes are included here: "Get Here," the Soul II Soul-styled "Rhythm of Life," and the rousing "Circle of One." Her weaker second album, Evolution, however, is represented by no less than five tracks, and four songs from Moving On also appear. The Very Best of Oleta Adams also includes material that was never previously available on an Oleta Adams album. Tears for Fears' Seeds of Love hit "Woman in Chains" is here, and Adams' pitch-perfect vocal harmonies play off Roland Orzabal's melodramatic bombast surprisingly well. Though a more subtle arrangement may have been more successful, her rendition of "Don't Let the Sun Go Down on Me" (which appeared on the Elton John/Bernie Taupin covers album Two Rooms in 1991) is performed with such gusto Elton John's version pales by comparison. Adams also shows off her astonishing range on the Gershwin classic "Embraceable You" and a nice reading of Jimmy Cliff's "Many Rivers to Cross." Although The Very Best of Oleta Adams lacks two of her best performances -- Circle of One's gorgeous version of "Everything Must Change" (which has been recorded by countless artists, including Gene Harris, Nina Simone, Carmen McRae, and Barbra Streisand) and the aforementioned "New York State of Mind" -- it is a pleasant collection that showcases Oleta Adams' beautiful voice, even on lackluster material. ~ by William Cooper, www.allmusic.com

Tracks:
1. Rhythm of Life
2. Don't Let the Sun Go Down on Me
3. Never Knew Love
4. Get Here
5. Hold Me for a While
6. Many Rivers to Cross
7. Circle of Love
8. My Heart Won't Lie
9. Lover's Holiday
10. Embraceable You
11. We Will Meet Again
12. Love Begins at Home
13. I Just Had to Hear Your Voice
14. Woman in Chains - Oleta Adams, Tears for Fears
15. I Knew You When
16. Window of Hope

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Complexo de vira-lata



Eu tenho complexo de vira-lata. Como diria um alcoólatra, a melhor maneira de enfrentar o problema é de peito aberto. Você tem de admitir a coisa em alto e bom som. Sou um vira-lata. Ou melhor. Acho tão profundamente que sou um vira-lata, que chego a ser o vira-lata que sou.

Mas primeiro é preciso saber o que é um vira-lata. A definição do que é um vira-lata no dicionário é “cão-de-rua, que não é de raça”. Isso é breve e preciso.
Todo mundo já viu um. Vira-latas ficam sobre duas patas e abanarão o rabo ao menor gesto de carinho. Se você coçar a cabeça de um vira-lata, ele o seguirá até a porta da sua casa. Se lhe der um pouco de comida, ele o seguirá até a porta da sua casa e pegará a chave debaixo do tapete. Se você lhe der um pouco de comida e água, ele pegará a chave, abrirá a porta da sua casa, ligará a tv no canal de esportes, lhe trará os chinelos e uma cerveja gelada. Cães de rua são legais e fariam qualquer coisa por um lar.

Mas a definição do dicionário não esgota o assunto. O vira-latas é, antes de tudo, um estado de espírito. Vira-latas parodiam Fernando Pessoa.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Poema abduzido


Quebrei meu jejum de palavras
Com um verso esturricado

Nem faz tanto tempo assim
Deixei meu coração ao sol
E ele secou um bocado
nas pontas

Depois, só recolhi dor e cansaço
Coloquei de volta um cofre no meu peito

Hoje guardo prazeres, raiva e um gesto
De grandeza que recebi de um inimigo

Na hora certa, e será mais cedo do que se pensa,
Devolverei essa chaga que me atormenta
Com seu pedido de socorro

Gritarei palavras ao vento
Terei pedras na boca
A tropeçar na retórica dos anos descalços

Comprarei amanhã
Com o ouro dos tolos
Um soneto triste para pendurar
Na varanda dos dias melhores
Que nunca, jamais, veremos
Pois estamos presos,
Acorrentados,
Ao monstro que nos devora o fígado

E não há perdão para quem não perdoa
E não há canção para quem não perdoa
E não há poesia para quem não perdoa

Mesmo assim,
Comprarei amanhã,
Com a prata da casa
Um verso obsceno e triste para estampar
Numa camiseta de algodão
Que em tempo algum
Usaremos
Pois fomos abduzidos,
E estamos nas entranhas
do triste fim dos dias alienados

sábado, 24 de novembro de 2007

Bloc Party


Ontem eu não postei nada e estou deprimido até agora por isso. Tem uns dias em que nada parece funcionar direito. Ontem foi assim. Não funcionei. Aí fiquei um bom tempo no You Tube e encontrei um vídeo excelente de gols do Ronaldo, o Fenômeno. Genial. Alegrou o meu dia. E então aconteceu algo sensacional, oh, meus amigos, pois encontrei uma música inspiradora chamada “Helicopter”, de uma banda inglesa chamada Bloc Party. E é claro que me deu uma vontade danada de gravar numa fita e correr para levar ao carro e dar uma banda pela cidade.

Estou brincando. Mas não era assim que se fazia? Você encontrava uma música sensacional, gravava e ia correndo mostrar para todos os seus dois amigos. E aí, saíam todos para tomar uma cerveja, com o walkman Sony de metal de um deles, quase do tamanho da fita cassete, ligado e passando de mão em mão. E ali, no Zeppelin, com apenas duas cervejas, todos estariam caindo de sono sobre as mesas, mas com o disco novo dos Rolling Stones, Tatto You, praticamente decorado ainda ecoando nos ouvidos. Antes de ir embora, dividir um crepe de banana com açúcar e canela ou encarar um sanduba.

Largo a lembrança de lado, pois hoje é muito diferente. E a banda Bloc Party é realmente muito legal.

Confira aí, no endereço http://www.youtube.com/watch?v=0-6k3-8WjUQ .
Tem essa também: http://www.youtube.com/watch?v=HH2Bbb5ZUug&feature=user .
E também essa aqui: http://www.youtube.com/watch?v=ttcboE1GrNg&feature=user .

E amanhã vou ver se coloco alguma coisa decente.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Preferências


Não conte comigo para um bocado de coisas. Passeatas, por exemplo. Detesto passeatas. Aqui nessa cidade, toda semana tem passeata e nenhuma adianta coisa alguma. Os caras que participam aparecem em flashes de alguns segundos nos telejornais e pronto. Não se fala mais no assunto. Até porque no dia seguinte tem outra passeata e os telejornais e jornais darão destaque à manifestação do dia. Os 15 minutos de que falava o Warhol viraram 15 segundos e pronto. Ninguém da cidade perde tempo com isso.

Lavar carro no final de semana. Ta bom. Isso é da idade. Fazia sentido quando eu tinha 17 anos, não tinha carteira e essa era a única forma de ficar com as mãos nas chaves do carro. Mas ainda hoje, com crise de água, ecochatos e “clima change” você dá uma volta pela cidade e ainda encontra um monte de caras gastando um dilúvio de água e lustrando o carro mil com aquele sorriso de luxúria no rosto. Dá uma pena danada.

Também não conte comigo para jogar baralho. Pôquer, truco, tuíste, canastra, qualquer dessas coisas me enchem de tédio. Aliás, não me chame para qualquer jogo. Um estádio, de vez em quando, pode ser. Mas o resto, estou fora.

Não me chame para shows de chorinho. Aquele povo do violão, viola, cavaco, cavaquinho, reco-reco, flauta e pandeiro são instrumentistas de mão-cheia, são artistas magníficos, mas têm uma conversa para boi dormir que me irrita o fígado. Não é à toa que são tão apreciados no exterior. Lá fora ninguém entende as piadas e as historinhas babacas que eles gostam de contar.

Esqueça o meu nome quando o programa for passear de bicicleta, correr ou andar no parque da cidade. Eu adoro fazer tudo isso, especialmente no parque da cidade, mas gosto de fazer sozinho. Em academia, ou estou na piscina ou malhando com fones de ouvidos. Se quiser conversar comigo, me espere do lado de fora.

Não me peça dinheiro emprestado. Eu não tenho dinheiro. E se tivesse, cobraria mais juros do que um banco.

Não me peça conselhos. Não me dê conselhos.

Não conte em me vencer por insistência. Só me ofereça o que tiver de oferecer uma única vez. Se eu aceitar, legal. Se eu não aceitar, não insista.

Não diga que eu estou nervoso. Existem poucas coisas que deixam o ser humano nervoso imediatamente. Essa é a principal.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Uma espada laser




Um dia, foi idéia do meu irmão, eu terei que escrever um texto sobre meu pai. É uma coisa que eu fico adiando. Tenho medo de magoá-lo. Sei lá. É difícil. Eu tento passar a pelota para meu filho. Quem sabe ele, na inocência dos quatro anos, não me ajuda nessa tarefa?

_O que você acha do vovô? - eu pergunto para meu pequeno super-herói.

_Ele é legal.

_Se você fosse dizer uma coisa para ele, o que você diria?

_Agora?

_Agora.

_Vô, me dá uma espada laser?

_Não. Isso não vale. Tem que dizer uma coisa sobre ele. Tipo assim: Vô, seu cabelo é bonito.

_O cabelo dele é branco.

_É só um exemplo. Pode falar qualquer coisa.

_Qualquer coisa.

_Engraçadinho.Com quatro anos e já tem um programa de auditório. Anda, diz alguma coisa sobre o vovô.

_Puxa, pai. Larga do meu pé.

_Só preciso ouvir uma coisa sobre o vovô. Ou então eu desligo o vídeo-game.

_Vô, quando eu crescer eu quero ser um samurai igual a você.

_Samurai? Mas esse é o seu outro avô...

_Ah, pai, me deixa brincar.

Meu filho também sempre dá um jeito de escapar pela tangente.
Peço ajuda para a Patroa.

_ Quero escrever uma coisa sobre o meu pai, mas não consigo pensar em nada. Estou sem idéias. Se você fosse dizer uma coisa para ele, o que você diria?
_Pai, me dá uma espada laser?

_Não vale – eu digo. Você estava escutando.

_Ih, Careca, você sempre diz que só consegue escrever sobre o que você sabe. Talvez seja a hora de mudar. Use a imaginação. Escreva sobre o que não sabe. Invente um pai. Ou invente um outro você. Ou escreva sobre o que você gostaria que tivesse acontecido. O que você gostaria de dizer para o seu pai, que nunca disse antes?

_Pai, me dá uma espada laser?

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Adesão involuntária


Existem poucas coisas mais desagradáveis do que ouvir a professora na escola dizer que sua filha de 3 anos está com piolhos. A primeira reação é negar completamente.
_Minha filha? É impossível. Eu mesmo dou banho nela todos os dias e ela nem sequer está coçando a cabeça. Impossível.
E aí você olha para a menina e ela está levando a mão até a cabeça. E coça a cabeça. E faz careta enquanto coça.
_Minha Santa Genoveva!
Aí você admite, com ressalvas.
_Deve ter sido nesse final de semana!
_Achei um monte de lêndeas – diz a professora.
E por mais estúpido que você seja em matéria de piolhos e parasitas em geral, você sabe que demora um pouco para um bicho começar a ter filhotes na cabeça dos outros.
_Amanhã ela não vem – você admite a derrota, envergonhado.
Cheguei em casa arrasado. Minha filha com piolhos. O que é que eu estou fazendo de errado? Dou três banhos por dia. Uso shampoo dia sim, dia não. Penteio com cuidado a cabeleira. Que vergonha. Que vergonha. Espero a Patroa chegar, conto a novidade rapidamente e corro para a farmácia.
_Tem remédio para piolho? – eu pergunto ao balconista assim que aterrissei na farmácia. O balconista me olha com um misto de riso, superioridade, nojo e pena. Afinal, eu sou um careca com um tufo de cabelo na nuca. Mas talvez eu tenha me enganado, e o olhar só tivesse superioridade e nojo.
_Neocid? Tem neocid? – eu insisto, lembrando o nome do mata-piolhos que minha mãe usava na gente, quando éramos crianças e inocentes.
_Neocid? Não sei se tem. Mas tem vários outros – o balconista se digna a responder, evitando a proximidade com a minha careca e meu tufo de cabelos.
Fiquei ali, esperando uns 5 minutos. O balconista, agora sério e sem demonstrar desprezo, voltou com uma touca transparente na cabeça e trouxe uma porção de remédios para piolhos. Como qualquer coisa hoje em dia, existem remédios de todas as marcas, tamanhos, cores e preços. Escolhi uma embalagem com um design ajeitado, que prometia acabar com toda a praga de piolhos em apenas dez minutos. De lambuja, o remédio me dava um pente fino. Comprei um pra cada um lá de casa, dois para a Patroa, e várias toucas descartáveis. Na fila do caixa, as pessoas se afastavam ao perceber o que eu tinha nas mãos. Na minha hora de pagar, cocei o tufo na cabeça com força, para desespero do caixa e da velhota que estava atrás de mim, na fila interminável. Caramba, como tem fila nessa cidade!
Voltei pra casa triunfante.
_Eu tenho a cura – gritei para a Patroa, assim que ela abriu a porta.
Fomos todos lavar as cabeças para passar o remédio. Eu não tenho muito cabelo para lavar, mas disfarcei bastante. Depois ficamos muitos minutos catando piolhos, um na cabeça do outro, usando os pentes finos para pegar os bichinhos. Parecíamos um bando de macacos. E tive que ralhar com o mais velho, de quatro anos, que toda hora fazia menção de levar um piolho capturado até a boca.
_Está envenenado. Não pode – eu dizia.
No final, só encontramos piolhos nas crianças. Aí fizemos uma lista de quem tínhamos encontrado nas últimas duas semanas. Passamos uma hora ao telefone avisando a todos sobre a possibilidade de haver piolhos em suas cabeças. Duas pessoas haviam suspeitado da existência do parasita naquele mesmo dia. Pediram dicas de remédios. Expliquei tudo direitinho. E ainda recomendei altivez e bravura na hora de pedir o remédio no balcão da farmácia.
_Chegue bem perto, mas bem perto do balconista, como se fosse contar um segredo. Aí diga bem alto que está com piolho – falei.
Depois de seguir as minhas recomendações, uma das pessoas(vou preservar o nome da criatura) me ligou de volta. Da delegacia.
_O balconista tinha aquelas tranças de rastafari, as dreadlocks – ele me explicou. Achou que era um atentado racista no dia da consciência negra.
_E era?
_Claro que não. Mas o delegado é irmão da mulher dele e não quer nem saber. Só saio daqui se raspar a cabeça.
_Bem-vindo ao meu mundo, colega. Quer que eu vá te buscar?

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Aeroporto 2007


Chegamos três horas antes do horário marcado para o vôo e ainda assim a fila era gigantesca. Todo mundo estava precavido. O caos aéreo já determinava alterações significativas de comportamento. Há um ano, todo mundo chegava em cima da hora no aeroporto. Muitos reclamavam quando encontravam uma fila. Agora não. Poucos reclamam. Na longa, enorme fila, um passageiro, de bermuda e camiseta, tenta puxar conversa conosco.

_ Está demais, não é? Agora deixam qualquer um pegar avião. A passagem a esse preço. Onde já se viu? E aí é essa fila.

_ Mudou muita coisa, amigo. Na primeira vez que eu viajei de avião, meu pai falou para usar um terno completo. E foi o que eu fiz. De colete e tudo. E todo mundo estava becado.

_Eu gosto de viajar de camiseta e bermuda. Ainda mais para Salvador...

E a conversa morreu. Se houvesse um campeonato de matador de conversa, eu ganharia de lavada. Meu amigo, que também ia para Salvador, tentou ressuscitar o papo.

_Mas viajar de carro é pior. As estradas estão em frangalhos, não oferecem a menor segurança. Por terra, nem pensar, não há a menor condição - disse o meu amigo.

_É verdade. Está uma buraqueira danada, tem muita gente imprudente e todo mundo só anda chutado – disse o sujeito de camiseta, satisfeito por encontrar um cara normal e conversar.

_É e ainda tem os caras do Carro Mil. – eu disse.

_Que caras? – perguntou o de camiseta.

_Eles estão espalhados pelo país. Em todos os estados e em todas as estradas.

_Quem são eles? – perguntou o meu amigo que também viajava para Salvador.

_Os caras que compram carro mil com 60 prestações e pegam a estrada. E entopem o carro de amigos. E enchem a cara. E ainda querem ultrapassar o caminhão na subida.

_Esses caras são f.....!

_Bota f....... nisso!

_Mas ainda tem pior – eu disse.

_Pior?

_É. Mil vezes pior – eu assegurei.

_Não é possível – duvidou o sujeito de camiseta.

_Os caras do Carro Mil pelo menos estão com um carro novo na estrada. A turma do Opalão Preto é mil vezes pior.

Os dois me olhavam como se estivessem assistindo a uma versão não legendada de “A Bruxa de Blair”.

_Pode ser Belina Azul, Brasília Amarela, qualquer carro fora de linha. Já vi muito Opalão Preto. E a turma do Opalão Preto não liga a mínima para os pneus carecas, para os faroletes quebrados e para nada. A turma do Opalão Preto tem um monte de adesivos no que resta do para-choque. Os plásticos afirmam para o resto do mundo que eles, naquele rebotalho de automóvel, são mais filhos de Deus que eu, você e os outros otários que cuidam de equipamentos de segurança.

Deixei que eles pensassem um pouco sobre aquilo. Depois eu disse:

_É melhor voar.

_É.

E a conversa morreu para sempre. Aliás, o cara de camiseta virou as costas em seguida e não olhou mais para trás. Meu amigo, depois do check in, me perguntou se eu faço isso de propósito. Eu respondi que não. É um talento que eu tenho. Matar conversas. Encerrar discussões e papos-cabeças com opiniões definitivas, arrasadoras. Acabar com a encheção de lingüiça. Acabar com o passatempo. Não posso fazer nada contra isso.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Caminho do namoro



O amor faz cada uma. Eram mais de 40 minutos de um ponto a outro, mesmo assim, acabou em casamento.

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Girafas



Houve uma época em que era possível ver um pouco mais longe, com um pescoço um pouco maior.

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Choque anafilático



Na mesma época que eu descobri que poderia ficar surdo, mudo e amnésico ao ver uma supermodelo, mesmo que à mesma distância de um salto triplo do João do Pulo, também descobri que poderia sofrer um choque anafilático.

Eu desconfiava disso. Só pode ser de família. Meus irmãos são hipersensíveis a algumas substâncias. Minha irmã mais velha, por exemplo, não pode nem chegar perto de frutos do mar. Camarão, caranguejo, lagosta, ostra, marisco, lula, tudo isso pode provocar reações muito desagradáveis e perigosas. Basta dizer que uma vez ela quase morreu porque comeu um inocente risólis. O recheio era de frango, mas o danado tinha sido feito no mesmo óleo que os risólis de camarão. Como resultado, ela ficou dois dias internada, inchou feito um balão, teve uma crise respiratória gravíssima e faturou um milhão de euros em indenização do buffet que serviu a bomba para ela, em Londres, na Inglaterra.

É. É só lá fora que indenização dá grana, gente. Aqui, e isso é só uma hipótese, mesmo se o ministro dos transportes voltar trolado de um churrasco e atropelar um funcionário público na rua a indenização será uma mixaria de cestas básicas. E ainda vão querer culpar o funcionário público. Ainda mais se ele for lixeiro.

Lá fora, não. A menos que você seja estrangeiro. Aí primeiro vão querer te acusar de terrorismo. Como aconteceu com a minha irmã. Para você ter uma idéia, deitada, na cama do hospital, ela ficou muito parecida com o Bob Esponja pintado de cor-de-rosa. Aproveitando-se disso, o buffet divulgou, por meio de um tablóide especializado em sacanear a Britney Spears, uma foto da minha irmã no hospital e a informação de que ela já havia dado o “golpe do anafilático” em buffets da Espanha, França e Alemanha. Foi o bastante para o caso se transformar em escândalo nacional. Ou melhor, transnacional, já que estamos falando do Reino Unido.

A sorte é que ela ainda não tinha visitado a Alemanha. E os buffets da Espanha e da França haviam fechado as portas depois que pagaram as indenizações devidas. Por causa disso, a opinião pública transnacional da Grã-Bretanha acabou ficando do lado dela. Nas ruas, as pessoas, especialmente os clandestinos, torciam para que ela ferrasse com o buffet. Outros queriam que ela se mudasse para a Alemanha e ferrasse com os buffets de lá. Outros achavam que a Britney Spears era mais magra. E alguns malucos achavam que ela já tinha sido o Bob Esponja de um dos filhos de Charlie e Diana.

Mas ela não fez nada disso. Entrou em acordo e recebeu a bolada. Teve muita sorte, pois um marisco, lula, dilma ou até mesmo uma lagosta teriam sido fatais. Hoje ela pensa muito em sair de Londres, porque não agüenta mais aquela maresia de sanidade, aquele jeitão das coisas funcionarem, toda aquela ordem, paz, segurança e tranqüilidade. Mas eu sei que no fundo, no fundo, no fundo, ela quer mesmo é voltar para a terrinha. Da Edith Piaf.

Ela diz que aproveita todo o tempo livre que tem para fazer as malas. Nesse ritmo estará com tudo pronto para se mudar para Paris antes do Natal. A Patroa diz que ela está enrolando, mas devo dizer, em defesa da minha querida irmã, que são muitas malas. E algumas são Louis Vuitton. Acho que é possível que ela esteja com um pouquinho de medo de encarar mais uma temporada numa cidade fantástica, num país sensacional, onde tudo também funciona direito e você é bem tratado se souber falar francês e escolher o vinho certo. (Continua)

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Eu não sei como traçar uma supermodelo II



_Preciso ir ao banheiro – eu disse.

A Patroa juntava umas coisas que tinham escapulido da bolsa. Eu saí de fininho e fui até o banheiro. Meu supercílio esquerdo deixaria Robert de Niro (O Touro Indomável, Táxi Driver, Frankenstein, Cassino e Os Bons Companheiros) com inveja. Estanquei a sangueira com um pedaço de papel. Felizmente estava com a minha jaqueta de couro. Foi só puxar o zíper para esconder a camisa suja.

O que estava acontecendo comigo? Como era possível sair do ar durante 15 minutos só por ter visto uma supermodelo? Como eu faria para me desculpar com a Patroa? Coitada. Ela estava ali, chegando de uma viagem difícil. Tinha ido trabalhar duro para ganhar dinheiro para gastar comigo e as crianças. Tinha viajado numa poltrona desconfortável, na primeira classe, até o Rio de Janeiro. A Patroa, a trabalho, tinha ido a três shows e duas peças de teatro naquela semana. Tinha, por obrigação, freqüentado os cinco melhores restaurantes da cidade maravilhosa naqueles dias sofridos. E, além de tudo, tinha acordado tarde todos os dias.

Eu, por outro lado, tinha ficado no bem-bom daqui de casa, à toa feito um desempregado. E ainda por cima, acordando cedo, às seis e meia, para preparar a mamadeira das crianças. Como choveu uma semana, direto, com pequenas enchentes sendo registradas nessa cidade, tive que ficar sete dias enfurnado no apartamento. E você sabe a delícia que é pajear crianças em sete dias de chuva? Só posso dizer uma única coisa: Noé deve ter enlouquecido.

O fato é que a Patroa estava esgotada. Eu estava cansado de não fazer nada. E ainda por cima não tinha visto, ouvido ou reconhecido a Patroa no momento em que ela me acertava bolsadas. Todo mundo sabe que a bolsada é uma legítima demonstração de apreço e carinho de uma mulher para o homem que a ama. Não, senhor. Não, senhora. Eu teria que me desculpar do melhor jeito que pudesse. Por isso, me ajeitei mais um pouco e saí do banheiro com um plano bem definido. Tudo seria resolvido. A Patroa iria me perdoar.


Encontrei a Patroa no saguão principal. Chamei por ela, com um pedido de desculpas bem ensaiado na cabeça. Mas ela parecia estar em outro pedaço do planeta. Olhava fixamente, de boca aberta, para uma pequena aglomeração de fotógrafos esvoaçando em torno de uma figura alta e atlética. Parecia com o Gianechini.

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Eu não sei como traçar uma supermodelo



O mais perto que eu cheguei de uma supermodelo foi mais ou menos a distância que consagrou o nosso João do Pulo : 17 metros e 89 centímetros. Eu estava no aeroporto da cidade. E a supermodelo era uma moça loira, cercada de fotógrafos como uma ilha. Por todos os lados. Ao se mover, ela provocava uma revoada de câmaras e gente, como se todos esvoaçassem em torno dela. Acho, não tenho certeza, que era a Ana Hickmann.

Aquela mulher no aeroporto era o sal da terra, em se tratando de beleza. Se eu fosse um cineasta, ela seria um filme destinado ao Oscar. Se eu fosse traficante, ela seria a rainha da cocada branca e da preta também. Se eu fosse um escritor, de verdade,, ela seria Moby Dick, de Melville e também as obras completas de Dostoiévsky. Grande. Majestosa. Estupenda. Parecia um iceberg inatingível. E, no entanto, era o tipo de mulher que deveria ser mantida, por medida de segurança, bem distante das calotas polares. Com um mero sorriso ela era capaz de derreter corações empedernidos. Um decote mais profundo e todas as placas tectônicas seriam chacoalhadas e sairiam do lugar. Com um movimento dos lábios, ela provocaria maremotos, enchentes, tsunamis e furacões. Era demais.

Mas nem se eu tivesse as pernas e o talento do João do Pulo teria conseguido me aproximar dela. Eu sou um covarde quando se trata de chegar perto e falar com mulher supermodelo ou muito super-bonita. É um medo ancestral, daquele de gente que não leva muita confiança no seu código genético e que por isso é tímido. Com supermodelos, essa insegurança genética também se manifesta com uma amnésia e surdez temporária. Desse modo, seja lá qual fosse a supermodelo que vi naquele dia, ela provocou seqüelas profundas. Depois que a vi, esqueci meu nome, endereço, telefone e o que diabos estava fazendo no aeroporto. E como eu também estava temporariamente surdo, não escutei os gritos da minha mulher me chamando. Sim, meu Fiat 147 de leitores, eu estava ali, aparentemente, para ir buscar a patroa.

Aos invés disso, como uma mariposa capturada pela magia ofuscante de uma lâmpada elétrica de mil watts, eu estava seguindo aquela ilha de pernas longas, junto com os outros pássaros, abelhas, andorinhas e tiranossauros. Se alguém, uma pessoa que não reconheci na hora, não tivesse me dado uma rasteira e uma bolsada nas costas, talvez eu tivesse morrido atropelado naquele dia, atrás da supermodelo. É como diz a música, companheiro, só não vai quem já morreu. Como foi a minha primeira manifestação de amnésia e surdez temporárias, eu estava mais surpreso que a própria patroa. No chão, eu tentava evitar mais bolsadas, sem escutar a minha própria voz.

_Voz – eu tentei dizer. E, com mímica, fiz aquela pessoa (que era a minha patroa mas que eu ainda não havia temporariamente reconhecido) entender que eu não estava temporariamente escutando nada. Foi então que também descobri que havia ficado temporariamente mudo. Amnésico, surdo e mudo. Fiz mímica para tudo isso. E como eu não sou nenhum Marcel Marceaux, nem temporariamente, ela entendeu tudo errado. Para começar, ela primeiro achou que estava imitando um buldogue babão. Depois, ela achou que aquilo era uma pouca vergonha descarada e me deu umas dez bolsadas rápidas. Em seguida, ela pensou que eu estava dizendo algo como “dá um tempo aí, baby, que eu estou olhando para uma gata maravilhosa”. Ou “espera aí, deixa eu ver, deixa eu ver, pô”. Ou “larga do meu pé, xulé”. Quando não era nada disso e daquilo. Mais algumas bolsadas e eu comecei a voltar ao normal, pois já escutava uma pequena torcida que se formava em torno do otário que apanhava da mulher no aeroporto.
_ Acerta a orelha dele, madame – disse um engraçadinho.
_Acerta uma no queixo – disse outro.
_Dez pratas na maluca com bolsa – disse um terceiro.
E foi a minha sorte. Depois disso a patroa parou. E foi bem na hora, pois mais uma bolsada e meu óculos teria se partido ao meio. Sem falar no meu supercílio.
(Continua)

domingo, 11 de novembro de 2007

Como arrumar emprego nesses tempos de vacas magras II



A próxima alternativa é o vizinho. É pobre? Pô, cara, mude para um lugar decente. Tenha ao menos vizinhos bem sucedidos. É por isso que você está na pior. Você mora perto de um bando de perdedores e quer fazer sucesso? Meu amigo, na física moderna os iguais se atraem. É o que o Velho Tom sempre disse: Euro atrai Dólar. Dólar atrai Real. Real atrai um monte de especuladores vagabundos... E lá embaixo, bem no finalzinho da cadeia alimentar, eu, você e a torcida do Flamengo ficamos sem nenhum. Emprego atrai emprego. Pobre atrai pobre. Desemprego atrai desemprego. Mala atrai mala. É simples. Se você fizer cara de corintiano na torcida do Palmeiras você sabe o que acontece. E o mesmo vale para qualquer situação na vida. Entendeu? Aliás, extraordinário seria se fosse o contrário.

A última alternativa, e é só em último caso mesmo, é a sogra. Você tentou de tudo. Até aquela colocação no Pet-Shop, como secador de cachorro. Até aquela vaga de dente ambulante, na calçada, perto do ponto de ônibus, debaixo do maior soleil, para fazer propaganda do dentista. Até mesmo aquela outra vaga de apontador de bicho, onde reclamaram que o seu currículo com doutorado e pós-doutorado estava abaixo das exigências mínimas de qualificação. Depois de tudo, tudo, tudo, procure a sogra.

Se com o sogro a regra é despertar compaixão e solidariedade, com a sogra a regra é competência profissional e seriedade. Prepare duas versões do currículo. A resumida com no máximo duas páginas, letra corpo 12, começando com dados pessoais e um parágrafo de no máximo 8 linhas que resuma seus pontos fortes nas mais recentes atividades profissionais. A versão longa terá no mínimo 10 páginas só de títulos de artigos publicados em revistas especializadas no exterior. Não insista. Não ligue. Espere ser chamado. Durante a entrevista, seja profissional, inteligente, objetivo, rápido e muito, mas muito gentil. Sorria. Não mencione a filha dela. Com um pouco de sorte, ela te recomendará para o vizinho. O dela. Que é milionário.

sábado, 10 de novembro de 2007

Como arrumar um emprego nesses tempos de vacas magras


Como sempre, quando a gente não sabe uma coisa, o melhor a fazer é ensinar. E cobrar muito caro por isso.
A primeira coisa a fazer é esquecer o Ed Motta. Aquele papo de não ter nascido para o trabalho não existe. Todo mundo que não é milionário nasceu para o trabalho. Até alguns milionários nasceram para o trabalho, como por exemplo, o... esquece. E esqueça a Internet e os classificados de jornais. Esqueça os concursos públicos. O primeiro lugar para procurar emprego é na empresa daquele seu parente rico. Ligue para ele, até que ele atenda. Até de madrugada. Com parente vale tudo. Até chantagem. Se o milionário for aquele seu primo safado, diga que ainda tem a foto dele pelado, abraçado a uma senhora (ou seria um senhor de peruca?) da mais antiga profissão do mundo. Se o parente for mulher, é melhor ainda. Diga que sabe de tudo sobre os spas, as plásticas e os motoristas. Enfatize a última palavra com piscadelas e sobrancelhas. Cole no milionário. Insista. Não largue do pé. Descubra aonde ele vai quando finge que vai trabalhar e aonde ele vai quando finge que vai descansar. Milionários não se cansam e nem descansam. Milionários curtem. Milionários são o melhor canal do mundo para arrumar um emprego. Será um emprego horroroso, mas você terá um patrão. E milionário.

Ah, você não tem parente milionário? Então vamos para a segunda melhor alternativa para arrumar emprego: o político. Se você tiver cacife, comece com os graúdos. Cole no senador mala que sempre te pediu voto e que você conhece de outros carnavais. Mas é preciso conhecer o mala e também que o mala te conheça. Senão ele negará tudo. Inclusive o emprego. E ainda vai querer te dar lição de moral. Outra coisa: nunca, jamais, em hipótese nenhuma ameace ou insinue a possibilidade de ameaçar o uso da palavra chantagem perto de um político. Esses caras são profissionais. Portanto, não brinque com ferro em casa de ferreiro. Com o político também vale insistir até o limite da indecência, torrando o saco do sujeito à vontade. Não sinta cansaço ou remorso por insistir tanto. Lembre-se que esses sujeitos são os caras que interrompem os shows mais chatos do mundo para fazer os discursos mais idiotas e chatos do mundo. Lembre-se de que eles são sujeitos pagos com o meu, o seu, o dele e o nosso dinheiro para que não deixem o governo roubar o dinheiro da gente. E o que é que eles fazem na primeira oportunidade? Pois é.

Ah!Você não conhece nem sequer um vereador? A terceira alternativa para arrumar um emprego nesses tempos bicudos é o pai da patroa. Se ele for milionário e político, você está feito. Se ele for o dono de um pequeno comércio ou prestador de serviços, você também está feito. Você só vai precisar dizer que é corno. Como? Eu sei que você não é corno. Seria desgraça demais: feio, pobre, desempregado e corno. Eu sei que você não é nada disso. Mas o pai da sua mulher não precisa saber. Deixa ele pensar o que quiser. Te garanto que, por piedade e solidariedade cornística, ele vai te arrumar uma colocação. Agora, se ele for um aposentado pelo INSS, esqueça essa alternativa.

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Encontrei um dos melhores do mundo



Parece que só quando estou muito desempregado que começo a reparar na minha própria aparência. Como agora, por exemplo. Estou desempregado há algum tempo, mas só agora estou me sentindo muito desempregado. Esse sentimento aparece geralmente quando estouro o cheque especial. Ou então é alguma outra coincidência. Estouro o especial, me sinto muito desempregado, olho no espelho, arrebento o cinto, subo na balança. Parece uma seqüência lógica, mas acontece em qualquer ordem.

Vamos aos fatos. Eu fui ao shopping. Coisa besta e trivial, não é? Não, tudo é diferente quando você está desempregado. Para começar, com um emprego, você não precisa de desculpa para ir ao shopping. Você vai porque está a fim e ponto. Mas eu, pô, estou noutra. Tinha que ficar me dizendo que não ia comprar nada, era só para bater perna. “Você também é um ser humano”, eu pensava, quase em voz alta. “É só para distrair um pouco. Vai só curtir o ar condicionado. Não custa nada. Anda. Permita-se. É de graça” – e por aí afora.

Aí cheguei ao shopping. Quando você tem emprego, não encontra ninguém no shopping. Nem mesmo as pessoas com quem você combina de se encontrar. Mas quando você está desempregado, encontra todo mundo. Especialmente as pessoas que você não queria encontrar. O ex-chefe, por exemplo.
_Olá, você por aqui?
_E você? Por aqui? Aliás, por aqui, você?
A ex-mulher, com “cara- de-cadê-a-minha-pensão”.
_Vou mandar te prender...
_Querida, nada de algemas. Comigo é sexo careta, você sabe.
Aquele cara para quem você deve uma grana.
_Vou te quebrar um joelho.
_ Se tu me quebrar, não vai receber. Eu vou vender os meniscos, cara.
Uma antiga ex-namorada, que finge que nunca viu você em toda a vida dela.
_...
_ Lembra de mim? Namoramos muito no sofá da sua casa. Você continua a mesma. Você engasgava, lembra? Tossia. Corria pro banheiro. Um horror.
O síndico. Como você sabe, síndico é um morador do prédio que resolve infernizar a vida dos outros e ainda fazer cara de coitado.
_O senhor está com o condomínio atrasado.
_E o senhor é o atraso do condomínio – retruquei, à la Carlos Lacerda.
Encontrei também o Tavares, um intelectual.
_Como vai?
_É uma pergunta retórica? – retruquei.
_Como assim?
_Assim, como?
Para encurtar, encontrei uns dez conhecidos, todos eles com sacolas nas mãos, inclusive a minha ex-mulher. Eu carrego panfletos de promoções para momentos como esse. Panfletos, folhetos e filipetas são essenciais nessas horas. Se alguém levantar as sobrancelhas, com ar superior, como a me dizer “que diabos você está fazendo aqui sem comprar nada?”, pronto, eu mostro uma promoção. Gesticulo com o panfleto. Ou sacudo a filipeta. Agito o folheto. Com isso tento fazer crer que estou ali fazendo alguma coisa útil e fundamental, como gastar dinheiro, ao invés de estar à toa, inútil e fútil, sem gastar nada, com o crédito zerado e uma dívida de 5 dígitos. Como já dizia o meu amigo e guru Velho Tom, é sempre melhor parecer um pechincheiro do que um desempregado vagabundo, bebum, doente, endividado, piolhento e fedido. Ainda mais no shopping.
Mas no penúltimo encontro com um dos conhecidos, eu estava desprotegido. Não havia nem mesmo uma filipeta por perto para proteger minhas mãos do clássico “abanando”. E tinha que ser justo o Siri, do grupo Os Melhores do Mundo. Gente boa, boa pinta, alegre, simpático e gentil. O Siri foi atencioso e levamos aquele bate-papo imortalizado pela música “Sinal de Trânsito”.
_ Olá, como vai?
_Tudo bem. E você? Eu vou indo...
E foi mais ou menos a mesma coisa. A diferença é que o Siri tem bom humor e alegria de viver de sobra. Deve ser por isso que ele ganha um troco com ela. Algumas pessoas começaram a rir dele, é claro. O Siri é arquiteto. E é comediante. E é dos bons numa dessas duas coisas. E já trabalhou na televisão, na maior delas. Na de mais de 49 polegadas. E quando ele me desejou boa sorte, com um tapinha na barriga, é que eu tive certeza de que o meu cheque especial tinha estourado. Tive certeza absoluta que estava 11 quilos acima do meu peso ideal. Tive plena consciência de que os pneus da minha cintura poderiam ser usados como estepes para dois grandes veículos. E também que eu, ao invés de Careca, definitivamente tinha de ser chamado de Calvo, o Balofo.
_ Até logo, até logo, não esqueça, não esqueça, não esqueça.... – brincou o Siri, se afastando junto com a voz. Ele realmente ficou feliz por me encontrar, embora não se lembrasse do meu nome e nem de onde diabos me conhecia. Bom, eu também não. Então fiquei grato por ele ter sido, no final das contas, um cara que me tratou de igual para igual, embora o terno Armani, o Rolex e outras coisinhas que ele usava evidenciassem algumas pequenas diferenças. De estilo, é lógico. Falando sério, o Siri não me olhou como se eu fosse pedir dinheiro emprestado. Por isso, eu quase toquei nesse assunto. Na última hora, uma coisa me impediu. Orgulho? Amor próprio? Não. Acho que era um segurança da loja, pedindo para eu devolver alguma coisa. Quando virei de volta, o Siri já tinha se mandado.
Procurei um espelho. E no shopping existem espelhos à beça, espalhados por um sem número de pilastras, para que você se veja o tempo inteiro. De acordo com o Velho Tom, os espelhos dos shoppings são “lembranças perenes e brilhantes de que você vai precisar desembolsar uma baba se quiser ficar com uma aparência melhor”.
Dei uma olhada num dos maiores e melhores espelhos do shopping. E comecei a me sentir miserável e infeliz, ou infeliz e miserável, não sei mais a ordem certa. Mas de repente, como que pairando sobre a parva multidão de consumidores, levitando sobre suas sandálias de couro velho, vi uma figura irônica, descabelada, barriguda, evidentemente sem grana e ainda mais aturdida do que eu.
Era o Velho Tom.
E, de repente, me lembrei que no tempo em que eu era só um menino, os garotos do vizinho me invejavam porque lá em casa tinha TV preto e branco. É que na casa deles só tinha rádio.
Entendeu? Entendeu?

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Corredores, abóboras e empadas



Meu amigo Velho Tom é um sábio, embora pareça desmiolado. Os anos de cerveja, uísque e vinho prejudicaram um bocado o ex-fígado dele. Aliás, o ex-fígado só não se mudou porque o Velho Tom pensou bem e bebeu a grana reservada da mudança. Entretanto, os anos de álcool não atingiram a rapidez de raciocínio, a sacada esperta e a cortada certeira. Com as palavras, o meu amigo é um ás de espadas. E truco! Outro dia, falando da humanidade na frente de alguns copos de cerveja gelada, ele decretou:
_Existem três tipos de seres humanos: os corredores, os abóboras e os comedores de empada.
Naturalmente, eu não fiz nenhum comentário. Não se pode apressar o Velho Tom. Se você atalha uma das suas manifestações epistemológicas existencialistas, é capaz dele perder o fio da meada e a coisa ficar solta no ar. Não. Com o Velho Tom você tem que saber o momento certo de encaixar as perguntas para obter respostas. Ou então você encaixa as perguntas e recebe outras perguntas de volta. O que é natural entre marido e mulher, mas superchato quando se trata de um cupincha velho de guerra.
_Pois sim, existem três tipos de seres humanos: corredores, abóboras e empadas – voltou a afirmar.
E eu é que não iria apontar as diferenças conceituais existentes entre os dois vaticínios do meu amigo. Não. Com o Velho Tom, o melhor é esperar o momento certo para inserir comentários pertinentes. Ou então você insere os comentários e o Velho Tom manda você inserir uma ampola você sabe aonde. E depois de uma certa idade, não fica bem escutar uma série de coisas tolas sobre inserções e enxertos sexuais.
_É isso mesmo: corredores, abóboras e empadas – reafirmou o meu amigo.
Certo. Eu pensei comigo. A cerveja está gelada. O lugar é agradável. Tem um vento gostoso. Dá para ver gente bonita. Tem até um parquinho com crianças. É perfeito. E está na sombra.
_O que você acha? – perguntou ele. E como só estávamos nós dois na mesa, deve ter sido para mim.
_O que eu acho do quê? – eu perguntei, fingindo tão intensamente o desinteresse, que chegava a ser desinteresse o que deveras sentia.
_Corredores, abóboras e empadas – ele disse, sério.
_Esses são os seres humanos – falei.
_Muito bem dito – falou.
_Na verdade, quem falou isso foi um amigo meu – eu disse, rindo por dentro.
_É mesmo? Quem?
_É um cara que não tem a memória próxima.
_Quem?
_Você conhece de vista. Ele também gosta muito de cerveja.
_Deve ser gente boa.
_É um corredor que detesta abóboras, mas gostaria mesmo era de ser um comedor de empada.
_Careca, você tirou palavras da minha boca – e me olhou, agradecido.
_Amigos são para essas coisas – retruquei.
_Que coisas? – indagou.
_Que amigos? – inquiri.
_Careca, meu velho amigo, você está um bocado confuso.
Concordei com a cabeça em balanço afirmativo. Às vezes eu me sinto como se fosse apenas uma velha abóbora comedora de empada, vendo corredores a lutar e curtir a vida.

Frase do dia


Ocorreu um erro neste gadget