sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Um tatu na piscina




Aconteceu há milênios, mas parece que foi ontem. A primeira e única vez que eu comi carne de tatu. Essas coisas a gente não esquece, embora eu tenha esquecido um bocado. Foi na fazenda que o pai do Rodrigão tinha lá pelos fins de Goiás e começos de Minas.
Estávamos terminando uma competição de cerveja. Eram quatro homens e quatro mulheres. Nós havíamos apostado que os perdedores iriam dormir nas barracas. O vencedor iria dormir no único quarto com cama de casal, ar condicionado e TV da casa da fazenda.
E isso não tinha importância nenhuma porque sabíamos que depois de toda aquela cerveja o que menos importava era onde você iria dormir. Seríamos capazes de roncar num tapete debaixo de uma mesa, que foi o que acabou acontecendo comigo. Seríamos capazes de dormir na varanda, ao relento, com milhares de pernilongos sobre o corpo, como aconteceu com o Cabeça. Ou de capotar no chuveiro, com o chuveiro ligado, e acabar com a água da caixa d´água da casa, como aconteceu com o Rodrigão. Ou ainda de ser encontrado abraçado a uma árvore e a uma garrafa de Natu Nobilis, meio comido pelas formigas, como aconteceu com o Velho Tom. As meninas, aquelas mulheres sábias, acordariam devidamente acomodadas nas barracas, todas com um gosto de meia velha na boca.
Mas estou adiantando as coisas.
A competição de cerveja ainda não havia terminado. O objetivo era ver quem tomava mais cervejas sem ir ao banheiro. Pingo na calça, filete misterioso no chão, resultava em eliminação imediata com humilhação pública. O Velho Tom tinha uma bexiga maior que uma barrica e foi considerado “hors concours”. O Rodrigão tinha acabado de ser desclassificado por barbeiragem. Sem querer, havia derramado cerveja na calça, o que impedia a verificação de algum “vazamento” involuntário.
Eu e o Cabeça éramos os únicos no páreo, porque as mulheres iam ao banheiro a cada dois copinhos de cerveja. O Cabeça dava nítidos sinais de que perderia a batalha nos próximos minutos. Eu estava concentrado, com o foco correto e goles determinados. Ou seja, bebia feito um porco e dava nós mentais na minha uretra. O número de garrafas estava empatado. Eram onze horas da manhã. Nós dois tínhamos bebido seis cervejas cada um, sendo que a minha só faltava um copo para encerrar. A cerveja do Cabeça estava pela metade e ele começava a lacrimejar.
_Cabeça, entregue os pontos, você está mudando de cor, disse o Velho Tom. Ou você gosta de roxo?
_Velho Tom, vá chupar uma tampinha, ele respondeu, com gentileza.
_Meninas, o Tobi achou um Tatu, gritou o Rodrigão.
_ Quem é Tobi?
_É o cachorro.
_Quem é o Tatu?
_Tatu é o anão que grita “um avião, patrão, um avião”.
_É um tatu de verdade, animal.
_O animal Tatu ou eu?
_Você o quê, animal?
_O Animal também vem?
_Quem é esse cara?
_O Tobi achou um tatu de verdade na piscina.
_Piscina?Eu não sabia que tinha piscina.
_Ainda não é uma piscina. Por enquanto é só um buraco.
_Acharam um tatu no buraco.
_E como faz para o tatu sair do buraco?
_Enfia o dedo no...
_Não faz isso, mermão, que o tatu vira bicho.
O tatu acabou sendo frito e servido, com molho de pimenta. Ainda não era crime inafiançável. Mas depois disso, só 20 anos depois fui ver tatu vivo novamente. E ainda por cima num mini-zoológico que funciona na periferia de Salvador, na Bahia. E não sei se foi por causa da fome, ou da raridade da comida, mas ainda guardo na lembrança o sabor delicioso daquela carne.
Ah! E quem ganhou a aposta foi o Cabeça. Eu fui desclassificado assim que entrei no buraco da piscina para capturar o tatu. Peguei o bicho na unha.

Nenhum comentário:

Frase do dia


Ocorreu um erro neste gadget