terça-feira, 1 de outubro de 2013

Lavei a égua!



Bloc Party - Ratchet

Não me lembro mais quem gostava de usar essa expressão. Aliás, nem me lembrava mais da própria expressão quando ela, de súbito, me assaltou a memória. Lavei a égua! O significado era algo como ir à forra, dar o troco merecido em alguém, ou simplesmente se dar muito bem. Naquele velho programa de rádio certamente alguém inventaria uma historinha besta para ilustrar o surgimento da expressão. Eu adorava o Café com Bobagens, então, sem querer eu acabo pensando numa historinha do tipo.

Logo após o final da segunda guerra mundial, Paris tinha voltado a ser uma festa, principalmente para os recém-casados. A cidade tinha centenas de atrações, e uma das mais famosas era, sem sombra de dúvida, o grande espetáculo do cubano El Kabong, o cara com o maior kabong daqueles dias, maior até mesmo que o famosíssimo dominicano Porfírio Rubirosa, também conhecido como "Moedor de Pimenta".

O espetáculo de El Kabong era feito para mostrar ao público que o cubano tinha comprimento, largura e profundidade, além de manter a firmeza por uma hora de show business, de terça a domingo, fizesse sol ou chuva, granizo ou neve. El Kabong era mesmo um prodígio e encantou esse casal de brasileiros em lua-de-mel em Paris. Os noivos ficaram especialmente empolgados com o número de encerramento, quando El Kabong segurou o kabong com as duas mãos e pá-pá-pá, partiu três nozes ao meio e levou o público ao delírio. Uau! Os brasileiros nunca tinham visto nada igual. No auge da empolgação, o casal jurou voltar a Paris dali a dez anos para renovar os votos e, se possível, assistir ao espetáculo do magnífico El Kabong.

Dez anos se passaram e lá estava o casalzinho de brazucas, assistindo ao espetáculo de El Kabong. Ele havia mudado muito pouco e para o número de encerramento, pá-pá-pá-pá, El Kabong quebrou quatro nozes. Empolgados, o casal de brasileiros decidiu ir aos camarins para cumprimentar o grande El Kabong, mas a fila estava muito
grande.

Outros dez anos se passaram e lá estava o nosso casal, em Paris, renovando os votos com declarações ao pe´da Torre Eiffel. Toda aquela estrutura metálica lembrou aos brasileiros que uma visita a Paris não era nada sem uma passada no show do grande, do único e inigualável El Kabong. Desta vez, era possível ver algumas pequenas mexas de cabelos brancos no cubano, mas o resto continuava firme e forte. El Kabong encerrou a noite com kabongadas rítmicas sobre nozes. Eles teriam aguentado mais tempo na fila, mas ficaram com medo de perder o vôo de volta e resolveram deixar para a seguinte.

Mais dez anos se passaram e o nosso casal de brasileiros considerou esta a melhor de todas as viagens a Paris, porque não visitaram museus e nem fizeram nenhum dos tradicionais programas turísticos. Aproveitaram os cafés sem pressa, beberam muito vinho e só quando estavam quase de saída para o aeroporto se lembraram do espetáculo do cubano El Kabong. Não faz mal, disse a mulher. Na próxima vez nós iremos novamente.

Eles não contavam com os problemas econômicos do país. Dez anos se passaram rapidamente, mas uma tungada na poupança impediu que o casal voltasse para Paris. Outros dez anos precisaram passar para que o casal se recuperasse um pouco. Para marcar a ocasião, resolveram ir mais uma vez a Paris.

Dessa vez assistiram ao espetáculo na primeira noite após a chegada. El Kabong estava com os cabelos irremediavelmente brancos e usava uns óculos enormes, que distorciam os olhos. Mas o sujeito continuava com a mesma determinação e segurança de sempre. Fez isso e aquilo, e também fez assim e depois assado e por fim, chegou ao grande número de encerramento. El Kabong, para surpresa do casal brasileiro, havia retornado à simplicidade do pa-pá-pá. Com firmeza ele kabongou três cocos-da-bahia. O casal de brasileiros foi à loucura, junto com a platéia ensandecida. Eles correram para o camarim e aguentaram duas horas na fila de autógrafos. O brasileiro, é claro, fez a pergunta que todos faziam ao cubano.

_Há 50 anos que acompanhamos o espetáculo. O senhor começou com nozes e agora, para nosso assombro, quebra cocos-da-bahia com o kabong no final do espetáculo. Como isso é possível?

El Kabong suspira, coça discretamente o kabong, e tosse um pouco antes de responder pela milionésima vez a mesma pergunta.

_Pois é, os anos foram passando. A vista foi ficando fraca, a mira diminuiu. Tive que me adaptar - ele disse, enquanto balançava os óculos grossos como se fosse o kabong.

E também tinha aquela outra, do sujeito que encontra um velhíssimo professor de educação física no supermercado acompanhado de uma moça lindíssima. Se alguém a comparasse com um avião ficaria devendo em turbinas e equilíbrio aerodinâmico. O cara fica sem-graça de abordar o antigo professor e sua presumível filha e netos no corredor de iogurtes, apesar de uma rápida troca de olhares e um lampejo de reconhecimento mútuo. Afinal, os dois se encontram novamente na fila do caixa, mas desta vez o professor está sozinho. Os dois se cumprimentam e atualizam as informações mútuas e recíprocas rapidamente. Casaram, mudaram, separaram, casaram, mudaram e separaram. A diferença é que o professor está no terceiro casamento, com 2 filhos de cada união, inclusive do atual. Ele está mais feliz que um cachorrinho com osso, casado com uma mulher 60 anos mais nova.

Enquanto a fila não anda, os dois acabam se abrindo. O sujeito deixa o velho professor presumir que seu primeiro casamento foi um fracasso porque ele não conseguia ir muito longe debaixo dos lençóis. Ele também deixa o professor entender que o segundo casamento foi um fracasso porque a mulher estava sempre insatisfeita. O professor então conta ao ex-aluno que sua primeira mulher resolveu se separar porque achava que ele se excedia nas obrigações conjugais. Com a segunda mulher também não foi muito diferente, ela se cansou da energia perseverante e rotineira dos exercícios diários, noturnos, matutinos e vespertinos e a qualquer hora que fosse. Mas agora ele estava se sentindo muito bem, porque havia encontrado uma companheira com o mesmo fôlego e ímpeto conjugatório.

_Noossa, professor! Mas o senhor, com esta idade! São 80 anos, não é mesmo? Qual é o seu segredo?

_É simples. Coma pão. Mas sem manteiga. Comer pão todos os dias mantém o Rubirosa e o apetite como devem ser - disse o velho professor.

_Mas quantos, professor?

_Isso varia de pessoa para pessoa. Eu só preciso de dois pães por dia - ele disse, se despedindo do ex-aluno e se afastando com as compras, a mulher e os filhos.

Nosso amigo sai da fila rapidamente e corre para comprar pães.

_Quantos? - perguntou a moça bonita atrás do balcão.

_Vinte - disse o ex-aluno do professor de educação física.

_É uma família grande, hein?

_Não, é só para uma pessoa.

_Vixe!

_O que foi?

_Nada, é pão para uma só pessoa...

_E o que é que tem?

_O pão. Vai ficar meio duro, né?

_Você acha?

_Pela minha experiência, tenho certeza.

_Então me vê 40!









Nenhum comentário:

Frase do dia


Ocorreu um erro neste gadget